Uma história de abalar o coração da mãe natureza

Você conhece essa sensação de ficar tão envolvido em um documentário sobre a vida selvagem e se sentir completamente apegado às histórias dos animais na tela? É assim que você se sentirá lendo este artigo. Porque é mais do que apenas um artigo. É uma história sobre enfrentar adversidades. Sobre o poder da natureza e a bondade de estranhos. Esta é uma história sobre uma mãe ursa e seus dois filhotes no clima congelante da Rússia, desafiando todas as probabilidades de nadar em um lago. Não foi como planejado, no entanto. Leia para aprender sobre esse conto heróico.

Um conto de perda e amor

180815_102806_2

Esta história é sobre o vínculo de uma família amorosa no reino animal e uma união de diferentes espécies para salvar vidas. É uma história sobre sacrifício, esperança, medo e perda. Quando uma mãe ursa deixou seus filhotes mortos no meio de um lago frio, outro salvador entrou em cena. Felizmente, havia alguns pescadores próximos que vieram para o resgate – mas eles tiveram sucesso?

Um Lago Impiedoso

180815_102806_3

O conto começa em um lago de água doce conhecido como Lago Vygozero, na região noroeste da Rússia. Essa água é tão incrivelmente fria que se sabe que as temperaturas baixam para -20 graus Celsius (-4 graus Fahrenheit). É possível dizer que esse lago não é o tipo de lago que as famílias saem para visitar em viagens de camping e esqui aquático. É muito frio para um ser humano nadar em segurança. Mais do que isso, porque é tão grande, existe o perigo de qualquer vida selvagem nadar aqui (além do peixe), Pois cobre uma área tão grande, que para torná-lo de um lado para o outro sem congelar é muito difícil. Com isso em mente – continue lendo para descobrir o que acontece com esse animal em particular neste lago imperdoável.

Em algum lugar para chegar

180815_102806_4

O que nunca saberemos sobre essa situação é por que a mãe achou tão necessário atravessar essas águas com seus filhotes recém-nascidos. O instinto materno é sempre forte em quase todas as espécies, especialmente nos ursos. Então, quando ela ficou na beira, sentiu a picada da água fria e decidiu pular de qualquer maneira, nos perguntamos o que realmente a obrigava a seguir em frente? Ela é uma mulher durona – embora só esse fato seja o que colocou seus dois pequeninos em perigo – eles ainda não são tão duros quanto a mamãe-urso poderia ter pensado.

Uma decisão terrível

180815_102806_5

Isso tudo vai dizer que a decisão de pular neste lago com seus dois filhotes não era segura. Mesmo com eles se agarrando às costas dela, sua força e vontade nessa temperatura gelada certamente falhariam. Eles começaram a jornada através do lago, mas ficou claro que depois de algum tempo, os filhotes não conseguiam acompanhar, e ela não conseguia continuar segurando o peso deles. Eles acabaram indo muito longe ao centro do lago, lutando por sua vida e não tendo a menor ideia de para onde ir depois.

Um severo sacrifício

180815_102806_6

Agora a história dá uma reviravolta dolorosa. Os ursos-mães são conhecidos por serem animais altruístas dispostos a se sacrificarem por seus filhotes – como muitos instintos maternos na natureza. Embora essa mãe urso não fosse do tipo que daria a vida dela livremente por seus filhotes. Qualquer que fosse o plano, ela abandonou seus filhotes e começou a nadar, deixando-os desamparados na água. Esta decisão pode confundir alguns observadores da vida selvagem, quando se trata da vida e a morte na natureza; talvez o instinto de sobrevivência fosse forte demais nessa mãe.

A corrente era forte demais

180815_102806_7

Nós temos que dar a ela algum crédito, já que este lago tinha uma corrente poderosa, que já era incrivelmente difícil de nadar primeiro lugar. Ela tentou, e nós damos seus créditos para isso. Depois de lutar com a força da corrente com seus bebês, ela se viu sendo dilacerada por seus bebês. Ao ser separada dessa maneira, pode ter sido por isso que ela continuou a seguir em frente, tentar salvar-se e esperar que seus filhotes pudessem sobreviver sozinhas. Depois de nadar por algum tempo, o urso da mãe finalmente conseguiu pousar.

Alguém ajude!

180815_102806_8

Então agora nós vemos filhotes de urso sozinhos neste lago congelante, exaustos de tanto segurar por sua mãe, e o desespero os inundando. Como eles vão sobreviver agora que sua mãe – sua protetora – os abandonou? Para não mencionar, os ursos geralmente não têm muita experiência em aprender a nadar em um ambiente tão frio como esse quando ainda são jovens, então as chances são totalmente contrárias a eles.

Segurando-se pela Vida

180815_102806_9

Você pode imaginar como isso seria? Claro, sua capacidade consciente não é a mesma que os humanos em poder pensar sobre a situação, mas ainda assim, o que você acha que estaria passando por essas mentes e corpos desses filhotes? O medo e o pânico seriam reais, isso podemos dizer. Ficar cara a cara com a morte seria o suficiente para qualquer ser vivo saber que isso é aterrorizante.

Um resgate no horizonte?

180815_102806_10

E então, a mágica acontece. No momento em que tudo parecia sem esperança para esses pequenos filhotes, um barco apareceu. As possibilidades de salvar esses bebês do afogamento se tornaram reais, e então virou uma corrida contra a vida para salvar os pequenos assustados. A tripulação do navio sabia que algo estava errado. Sem nenhum urso mãe à vista, eles sabiam que tinham que fazer algo para ajudar a resgatá-los. Eles poderiam fazer isso?

Pequenos cansados

180815_102806_11

A situação desastrosa se apresentou quando o barco se aproximou dos filhotes, vendo que os bebês estavam tão exaustos, lutando para manter a cabeça acima da água, que não sabiam como poderiam tirá-los da água em segurança. O que é interessante aqui é que este barco era na verdade um barco de pesca. Só que em vez de pegar peixe, agora eles estavam esperando pegar dois pequenos filhotes de urso.

Uma observadora por perto

180815_102806_12

Embora a mãe tenha deixado os bebês na água, ela ainda estava muito perto da margem, observando toda a cena se desenrolar. Como essa mãe era um urso bastante grande, e ainda tinha alguns de seus instintos maternais, os pescadores não tinham certeza se deveriam ou não prosseguir o resgate na cara do perigo colocando em risco sua própria embarcação, a mãe tentou nadar novamente e subir a bordo. Então, embora o tempo estivesse passando muito rápido, eles tiveram que esperar que a mãe ficasse a uma distância mais segura.

Criando um Plano

11111

Então, durante esse tempo de espera, os pescadores decidiram descobrir como poderiam tirar os bebês da água. Qual é a melhor coisa a fazer aqui? O que os colocaria e os filhotes na menor quantidade de perigo? Este é o encontro selvagem da vida humana em uma situação muito rara e assustadora, tudo pode acontecer. Eles não são apenas bebês, eles são bebês URSOS.

Registrando tudo com a Câmera

180815_102806_21

Porque as pessoas em casa não acreditam no que esses pescadores encontraram em uma excursão casual de inverno. Filmar tudo foi uma boa ideia – é por isso que podemos escrever sobre essa história! A parte inteira da história em que o filhote e o barco se encontraram foi filmada por um dos pescadores. Logo depois, um dos filhotes de urso começou a tentar entrar no barco por conta própria, alcançando o barco com a pata.

Precisando de alguma assistência

11111

A borda do barco era muito alta para o pequeno e, por mais que tentasse, ele não conseguia entrar no barco. Especialmente em seu estado enfraquecido por estar na água por tanto tempo. O pescador, felizmente, começou a colocar em prática seu plano, pegando seu equipamento de pesca que pode continha a ferramenta certa para agarrar o urso.

O tipo certo de plano

Por fim, um dos pescadores elaborou um plano para poder pegar nos filhotes o suficiente para levá-los a bordo. Ele usou as próprias característica de um urso filhote para sua vantagem. Como um urso tem incríveis dentes afiados, eles podem encontrar grande aderência de suas bocas. Então, em vez de puxar o filhote imediatamente com as ferramentas, o plano era deixar o filhote morder a lateral do barco para conseguir subir no barco.

Será que Funcionou?

No começo, parecia que realmente funcionaria. Embora o urso ainda estivesse um pouco longe demais da plataforma para poder alcançar todo o seu corpo. Então, mesmo que os pescadores estivessem ideias sobre como oferecer mais ajuda física para puxar o urso – para a segurança de todos – eles não podiam simplesmente sentar e assistir. Então eles decidiram que eles tinham que intervir agora. Foi a vida ou a morte.

Confie mais um pouco

O risco envolvido era que, se os pescadores se aproximassem demais da borda, poderiam cair na água gelada, ser puxados para baixo pelo urso ou, pior ainda, arranhados ou mordidos em algum lugar onde não pudessem se recuperar! Então, o que eles poderiam fazer? Bem, confiar. Acreditaram que os filhotes de urso obedeceriam e que o resgate iria correr bem o suficiente para que ninguém se machucasse.

Por Favor

11111

Parecia ser uma conexão inexplicável entre os pescadores e o filhote de urso que fazia as coisas acontecerem. Um momento de olhares fixos e realmente conectando-se a esta vida vulnerável era tudo o que precisava para o pescador aceitar o risco e se abaixar e fazer todo o possível para salvar o filhote de urso.

Uma ideia brilhante

E assim outro plano foi colocado em ação. Parece simples quando você pensa sobre isso agora, mas na hora, quando os corações estão correndo e os riscos são altos, é compreensível que eles não tenham tentado isso antes. Eles usaram suas redes de pesca para tentar pescar o urso – assim como eles estariam fazendo com peixes regulares se eles nunca tivessem encontrado esses filhotes encalhados.

Será que vai funcionar ?

180815_102806_21

A única preocupação em relação a esse plano é o fato de que as redes de pesca que a tripulação tinha obviamente foram projetadas apenas para serem capazes de pescar – e não um urso pesado para bebês. Embora eles estivessem dispostos a arriscar quebrar a rede se isso lhes desse uma chance de salvar os filhotes, eles continuaram com o plano deles. Jogando a rede no oceano, eles começam com o primeiro filhote, tentando pegá-lo e depois enrolá-lo com as próprias mãos. Embora o tempo os estivesse perseguindo, o filhote continuou a ficar mais cansado.

Carregamento pesado

O primeiro filhote foi pego na rede, e eles começaram a trazê-lo cada vez mais perto, conseguindo, eventualmente, colocá-lo no barco! Mas esse não era o fim, pois eles poderiam ser pegos nas redes de maneira perigosa, ou os ursos poderiam até usar a pouca força que tinham para atacar os pescadores. Mesmo que os pescadores tivessem boas intenções, como os filhotes deveriam saber disso? Eles já estavam com medo o suficiente.

Acalmando os filhotes

Então os homens tentaram o seu melhor para acalmar o filhote com algumas vozes suaves. Os ursos são conhecidos por serem alguns dos animais mais perigosos com os quais o homem entra em contato na natureza, então falar docilmente com um urso provavelmente soa ridículo. O que os homens supostamente deveriam fazer? Eles tiveram que tentar acalmar o filhote o suficiente para trazê-lo em segurança a bordo.

Puxe, puxe e puxe

Os pescadores logo perceberam o quão pesado era um filhote de bebê. Imagine se fosse a mamãe presa na água! Eles estavam, pelo menos, gratos por esses filhotes ainda serem jovens. Você sabia que os ursos totalmente crescidos podem pesar até 590 quilos ?! Isso é muito urso. Não há como eles terem apoiado em sua rede de pesca. Esses filhotes também eram mais pesados devido a sua pele ficar super molhada e ganhar mais peso por causa disso.

Apenas um pouco mais

fgfgfg

Puxar aquele primeiro filhote para perto do barco na rede de pesca foi uma luta. Foi uma coisa boa que esses pescadores estão acostumados a condições e situações difíceis, neste clima frio, então eles tinham a força mental e física necessária para realmente ajudar este animal. Depois de um bom tempo puxando e puxando, o filhote eventualmente se aproximou, e finalmente estava parecendo que tudo ia ficar bem.

Bem vindos a bordo

11111

Então, finalmente, foi sucesso! Eles conseguiram o primeiro filhote no navio, mas ainda não foi uma comemoração. Na verdade não havia tempo para comemorar, eles ainda tinham outro filhote para salvar e o tempo estava se esgotando. Aquele segundo filhote estava na água durante todo o tempo em que o primeiro resgate estava ocorrendo. Este filhote também estava mais longe do barco do que o primeiro, então eles tiveram que tentar chegar perto o suficiente para conseguir este também.

Um pouco de confiança

180815_102806_27

Como eles conseguiram resgatar o primeiro filhote, os pescadores estavam se sentindo bem com a possibilidade de salvar o outro também. Mas eles não podiam simplesmente descansar – eles tinham que fazer o trabalho. Agora que eles tinham um plano definido com a rede de pesca, no entanto, o processo parecia ser mais tranquilo do que na primeira vez, o que era um alívio para todos.

Irmãos ursos reunidos

Então, novamente, depois de um pouco de força e esforço, os pescadores conseguiram colocar esse carinha no barco também. Agora os próprios pescadores se sentiam tão cansados quanto os ursos, depois de tudo isso, puxando e salvando os ursos. Os dois filhotes de urso estavam a bordo do barco, mas agora os pescadores ficaram com uma pergunta – qual é o próximo passo?

Celebração

180815_102806_29

Os pescadores finalmente conseguiram comemorar. Com os dois filhotes salvos, eles poderiam pelo menos respirar fundo e se firmar novamente para dar o próximo passo. Estamos realmente impressionados com a capacidade dos pescadores de perseverar e ser altruísta neste ato de salvar esses pequenos.

Nem tudo está feliz

Embora os filhotes estivessem a salvo do perigo iminente de afogamento, eles não estavam na melhor forma. Eles estavam exaustos, frios e molhados, e também em um lugar onde nunca estiveram antes, e provavelmente não entenderam. Pobres ursinhos tremiam tanto de medo quanto o frio. Também foi provavelmente o primeiro contato que eles tiveram com humanos. Tão encolhidos no canto, esses filhotes estavam realmente sentindo falta de sua mãe urso.

Apegados aos filhotes

180815_102806_31.jpg

Os pescadores se sentiam realmente ligados a esses pequeninos. Ter uma jornada tão intensa com eles realmente trouxe o homem e o urso para perto, e especialmente agora, vendo que eles estavam frios, sozinhos e precisando de algum conforto, temos certeza que teriam a ideia de ficar com eles. Eles também sabiam que sua mãe estaria por perto, esperando para se reunir com seus bebês. Eles tinham que fazer a coisa certa.

Aonde levar eles

lllkkk

Então foi o caso de onde levá-los. Eles tinham que encontrar o lugar certo na terra que a mãe tinha ido. Mas algum deles se lembrou de que depois de toda a pressa e pânico para salvá-los? Eles procuraram por aquele local específico e, depois de algum tempo, um dos pescadores viu o local familiar. Eles começaram a chegar à praia, esperando que a mãe ainda estivesse lá.

Outro movimento de risco

hghhdffd

Este era o ponto em que tudo se encaixaria – de forma perigosa e assustadora, ou em uma reunião amorosa. Basicamente, quando os homens se aproximaram da terra, eles não tinham certeza de como ambos os filhotes e a mãe ursa reagiriam. Ela correria no barco e despedaçaria os homens? Os filhotes iriam atropelar os homens para chegarem à sua mãe? Eles tinham que ser corajosos para fazer essa coisa certa, então quando se aproximaram, se prepararam.

Jogo de espera

fgfgfgf

Foi um pouco desapontador, no entanto, como a mãe urso não chegou quando os homens desembarcaram. Eles tinham a sensação de que ela estaria por perto – talvez observando por trás das árvores para ver o que os homens fariam. Eles sabiam que o próximo passo era deixar os filhotes irem – logo o cheiro os levaria à mãe. Os pescadores levaram os filhotes cansados e fracos para a terra para entregá-los em segurança.

Adeus amigos peludos

Foi um triste adeus. Depois de tudo o que tinham passado e da ligação que foi criada, os pescadores tiveram dificuldade em deixar os filhotes na praia e voltar para as águas. Eles ficaram contentes por filmarem a experiência, agora eles podiam olhar para trás e também mostrar aos outros o que a viagem de pescaria lhes trouxe. Então era hora de dizer um último adeus.

Uma mensagem para se levar

180815_102806_36hhhgff

Esta história termina com uma mensagem final de esperança. Espero que esses filhotes tenham encontrado sua mãe – e tenham ficado longe da água fria novamente. Mais do que isso, ficamos com um sentimento de esperança na bondade dos seres humanos. Na compaixão e na entrega altruísta a outro ser pela pura razão de que todos nós merecemos uma chance de sobreviver e viver. A bravura e gentileza desses pescadores é algo que todos podemos tirar, e lembre-se, em tempos de medo ou quando os outros precisam de ajuda, todos nós temos a capacidade de oferecer isso.

Confesso que chorei!

Fonte: Notícias Animais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Lambidas de cães no rosto são inofensivas

A maioria dos cães adora uma oportunidade para lamber o rosto de seus humanos. Tem gente que adora um beijinho na bochecha – e até na boca –, enquanto outros torcem o nariz e se esquivam do amiguinho de quatro patas. Mas afinal de contas, a saliva dos cães deve ser evitada como se fosse uma questão de vida ou morte?

Alguns povos já consideraram a saliva dos cães medicinal, como os egípcios. Eles usavam a saliva canina em rituais de cura e acreditavam que a lambida do cão poderia ajudar a curar ferimentos e doenças. Já os franceses têm a expressão “langue de chien, langue de médecin”, ou “língua de cachorro, língua de médico”.

Uma pesquisa realizada no Reino Unido mostra que a saliva do cachorro tem substâncias boas. A análise da saliva de labradores e beagles revelou que haviam ali enzimas antimicrobianas, proteínas como lisozimas e imunoglobulinas, e peptídeos que causam buraquinhos na membrana das células das bactérias.

Outra crença popular é que as pessoas devem lamber arranhões na própria pele para acelerar a cicatrização. Essa crença não é tão maluca assim, já que a saliva humana tem água e muco, enzimas e substâncias antimicrobrianas que ajudam a afastar infecções. Mas será que a saliva do cão poderia ter o mesmo efeito na pele humana?

Outra pesquisa da Universidade de Maryland (EUA) mostra que os humanos e cachorros têm apenas 16,4% de micróbios em comum na saliva. Ou seja, o microbiano oral dos cães é muito diferente do nosso.

O problema é que essas belas boquinhas caninas também carregam muitas bactérias. Todo cachorro adora lamber o chão, cheirar o traseiro de outros animais e comer coisas questionáveis que encontram por aí.

Os cães também carregam doenças perigosas para humanos, como raiva, salmonela, norovírus, pasteurella e campylobacter. Essas doenças, porém, são transmitidas pela mordida ou pelo contato com as fezes do animal, e não por uma lambida.

“Como microbiólogo, eu sei que a saliva do cão carrega uma multitude de micróbios. Mas a maioria é parte da vida normal dos cães e é inofensiva para tanto os cães e para os humanos”, diz Jennifer Tsang ao site Massive.

A recomendação de Jennifer é que as lambidas de cães na pele saudável não devem ser temidas, mas as pessoas devem tomar cuidado com ferimentos abertos e com as mucosas. Isso tudo para quem não tem alergia aos cães. Já quem fica com rashes vermelhos e coceira com o contato com a saliva do cachorro deve evitar esse tipo de contato.

Fonte: Por , em 12.07.2018

Sete dicas para se tornar um protetor ambiental

O clima da Terra já mudou várias vezes ao longo da história do planeta e isso sempre ocorrerá. Mas, ainda assim, vale a pena fazermos nossa parte para tentar garantir uma melhor qualidade de vida agora e deixar um mundo melhor para o futuro, para as próximas gerações.

Dica número 1 – Você pode ajudar, em primeiro lugar, cobrando algumas atitudes de seus pais, como, por exemplo, incentivá-los a usar menos o automóvel. Se você vai a algum lugar perto de sua casa, por que não ir a pé e evitar, assim, que um pouco mais de CO2 seja lançado na atmosfera? Procurar colegas que moram perto da escola e fazer transporte solidário também ajuda, além de contribuir para reduzir os congestionamentos, que causam tanto estresse.

Dica número 2 – Economizar energia, tomando banhos menos demorados, ficando menos tempo no computador e apagando as luzes dos ambientes que não estão ocupados é uma boa pedida, pois parte da energia que utilizamos também vem de usinas termelétricas, que queimam combustíveis fósseis e, consequentemente, emitem CO2.

noticia_economizar-agua-campinas1

Dica número 3 – A água também deve ser usada com mais cuidado. Ao escovar os dentes, feche a torneira da pia enquanto não estiver usando a água. A água da máquina de lavar pode ser aproveitada para a limpeza da casa. Aquela outra água que, às vezes, sobra em uma garrafinha pode ser jogada num canteiro de plantas ou mesmo num vasinho; a planta agradece e você evita o desperdício de simplesmente jogar á água fora no meio da rua.

Dica número 4 – Não jogue lixo na rua, pois isso entope bueiros e quando chove podem ocorrer inundações; sem falar que isso é muito feio.

images (1)

Dica número 5 – Se você morar em casa, não deixar que se façam aquelas queimadas com restos de folhas e podas de árvores ou até mesmo de papéis. Explicar aos seus pais que isso provoca o aumento do CO2 na atmosfera é uma ótima ação; o meio ambiente agradece e sua saúde também.

Dica número 6 – Aproveite materiais para reciclagem, como potes de margarina, que podem servir para guardar sobras de alimentos na geladeira e no freezer ao invés de irem parar no lixo, onde provavelmente serão queimados ou abandonadas em lixões por anos e anos. As garrafas pet podem ser transformadas em várias coisas, desde cadeiras, até vasos para plantas e porta-trecos. O papel também pode ser reaproveitado. Imprimir dos dois lados de uma folha e depois juntar o que não será mais usado e doar para uma cooperativa de reciclagem evita desperdícios e ainda pode gerar um dinheirinho para algumas pessoas.

Dica número 7 – Antes de pedir alguma coisa aos pais ou usar aquele dinheiro da mesada, pense se você realmente precisa do objeto. Às vezes, você vai comprar algo que depois ficará encostado e, cedo ou tarde, acabará indo parar no lixo. Quanto mais consumimos, mais as indústrias precisam produzir e, com isso, mais poluem e desmatam áreas verdes.

*Juliana Ramalho Barros ensina geografia na Universidade de Brasília (UnB) e na Faculdade Projeção. Ela é especialista em questões climáticas e realiza vários projetos na área de meio ambiente e climatologia.

Nem preciso dizer que precisamos mudar nossa atitude!

Picasso, como nos conhecemos e como nos amamos…

Numa noite qualquer, cheguei em casa e, pam…não podia entrar; do outro lado da porta um falatório; minha mãe e meu irmão, cheios de mistérios pedindo para eu tomar cuidado ao abrir a porta da cozinha, já que tenho costume de entrar em casa por ela, não gosto de entrar pela sala.

Fiquei “doida”, pois não sou fã de surpresas…para ser sincera, detesto!

Mas não tive outra opção, a não ser entrar com cuidado, quando olhei para o chão, via aquele montinho preto lindo, me apaixonei na hora!

 

Ele, o montinho, todo faceiro pulou em mim todo feliz, como se já nos conhecíamos há tempos…foi lambida para todo lado.

Ficamos todos (os humanos) meio pasmados, e agora, o quê vamos fazer? Ficar com ele? Que nome vamos lhe dar? Será que fugiu de casa ou foi abandonado? Devemos colocar cartazes para ver se alguém está a sua procura? Será que alguma criança vai ficar doente sentindo a falta dele?

 

Passado o choque inicial, resolvemos ficar com ele e como ninguém sabia como chamá-lo, adotamos Picasso, foi ideia minha, é claro…sou fã de Pablo Picasso, um pintor espanhol, escultor, ceramista, cenógrafo, poeta e dramaturgo que passou a maior parte da sua vida na França, aliás um pintor muito famoso.

 

Enfim, Picasso passou a fazer parte da nossa família, um amor de cãozinho, amoroso com todos, inteligente, obediente e muito, muito ciumento. Não mexam na sua ração, senão ele vira uma fera.

Tempos depois descobrimos que Picasso sofre ataques epiléticos, e ao procurar por seus antigos donos na região, não localizamos ninguém. Também cogitamos doá-lo para alguém mais afortunado, haja vista que já tínhamos outros cães e pensando que talvez seria melhor para ele. No final desistimos de doá-lo e resolvemos ficar com ele com medo que fosse abandonado à própria sorte.

244

Hoje, é mais um dos dez animais que temos, todos com suas histórias e personalidades, felizes por estarmos juntos como uma grande família.

Assim é a vida, a nossa vida!

Picasso, nosso amor de quatro patas.

 

 

Os direitos dos animais domésticos

Que todos os animais têm direitos nós já sabemos e que uma parte considerável da sociedade brasileira possui animais também. A questão é que a maioria desses lares não possuir se quer responsabilidade para com estes animais.

Quais-São-Os-Direitos-Dos-Animais-3

Os cuidados necessários com os animais variam de acordo com o tipo de animal, os animais domésticos são aparentemente mais fáceis de cuidar, sua alimentação basicamente é ração e água e, claro os cuidados médicos necessários adequados, somados a mínima atenção de seus donos.

827cf59234573da5539461e0433a2dd72ce02af7

Todos esses cuidados são direitos previstos em lei, sendo a maior delas a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Art. 225. […] § 1º […] incumbe ao poder público:

VII –  proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

animais2

Porém, isso não é suficiente, haja vista os inúmeros os casos de maus tratos de animais domésticos, tais como: manter o animal preso em lugares pequenos e anti-higiênicos, violência física e verbal, utilizar animal em shows que possam lhe causar desconforto, abandono e até ameaças são consideradas como crime previsto no artigo 32 da Lei Federal dos Crimes Ambientais 9.605/98, e prevê pena de reclusão de 3 meses a 1 ano.

abandono de animais7

Para que a lei seja cumprida, é preciso que denúncias sejam feitas quando um desses casos for testemunhado, a denúncia pode ser feita em qualquer delegacia de polícia e é totalmente anônima, pois segundo o artigo 2º -parágrafo 3º do decreto 24.645/34 “Os animais serão assistidos em juízo pelos representantes do Ministério Público, seus substitutos legais e pelos membros das Sociedades Protetoras dos Animais”, sendo assim é o Estado responde como autor da ação.

direito

Além das leis de proteção do bem-estar animal, existem também as leis que garantem a posse de animais em residências e apartamentos, nesse caso é o direito de propriedade amparado pela constituição Federal no seu artigo 5º. Então, todo cidadão tem o direito de possuir um animal doméstico, porém deve se levar em consideração normas para uma boa convivência social em condomínios e residenciais.

i_275

A permanência de animais nesses lugares só pode ser restringida se for comprovada a importunação ao sossego, à salubridade ou à segurança dos vizinhos. Possuir animais de pequeno porte, limitar o acesso do animal em áreas de convívio público e manter a higiene são fundamentais para não incomodas os vizinhos.

animais

Possuir um animal doméstico é uma grande responsabilidade e é preciso estar pronto para assumir todos os gastos que o animal traz e dedicar tempo e carinho a ele. Animais são uma das melhores companhias que o ser humano pode ter e zelar pelo seu bem-estar é uma retribuição pelo amor incondicional que o animal oferece ao seu dono.

Até a próxima!

Lucas pede socorro

Olá, eu sou o Lucas,

Como vocês podem ver minha vida não tem sido fácil, mas devido a uma briga entre nós caninos, ela (a vida) ficou bem pior. Eu já tive uma vida boa, mas por alguma razão que não me lembro no momento fui parar na rua como cão sem dono.

Um dia, uma família me adotou, é uma família até “boa”, o problema é que são irresponsáveis, imaturos e sem noção. Eles não cuidavam de mim e dos meus irmãos adotivos como deveria e não têm a menor noção de como nós animais precisamos de amor e carinho, como precisamos de um lugar limpo, alimentos adequados e água limpa, isso é só o básico….

Pois bem, minha vida que já não era lá essas coisas, ficou bem pior, pois além de não ser cuidado como deveria, um dia me envolvi em uma briga canina e infelizmente levei a pior. Minha orelha ficou gravemente ferida e como não foi cuidada, acabou dando bicheira. Sofri muito, pois os bichos estavam me comendo vivo. Eu cheirava mal. Um horror.

Todos tinham nojo de mim, me expulsavam, me chutavam, me jogavam água e outros coisas. As pessoas fugiam de mim, eu por outro lado vivia fugindo de outros cães para não apanhar mais e ficar mais ferido. Um dia uma moça falou para umas das protetoras que tinha um cãozinho na rua, mas não disse a ela que eu estava gravemente ferido e com bicheira.

O tempo foi passando….

Mas como Deus e São Francisco são bons e misericordiosos, eles fizeram com que eu encontrasse uma das protetoras (a mais brava) e ela veio até mim, mas eu com estava amedrontado, fugi.

Porém, ela não desistiu de mim, graças à Deus, ela foi atrás da minha vida pregressa e descobriu toda a situação que eu me encontrava, a triste vida que estava levando, tudo que eu estava passando e começou a me ajudar. A partir dai minha vida mudou completamente, só que desta vez para a melhor. Fiquei um tempo ainda com meus donos, mas lá não foi bom, eles me deixavam no sol, preso, sem água e comida. Eu gritava muito, porém agora a protetoras estavam de olho. A protetora mais briguenta fez um barraco, xingou, ameaçou, só faltou bater naquele “povo” sem noção, ela só não denunciou porque analisou a situação e não quis prejudicar eles (donos), já que a vida deles já está bem precária, vida miserável, para ser sincero…

Outras protetoras se envolveram e juntas elas se revisavam para me ajudar, fui levado ao veterinário, medicado e alimentado. Hoje estou temporariamente na casa de uma das protetoras sendo cuidado dia-a-dia. Estou cada vez melhor, meu ferimento está cicatrizando, tenho uma casinha limpa, comida e água fresca e limpa. Até engordei, kkkk

Meus irmãos adotivos estão sendo cuidado, uns já foram adotados, só eu espero um lar de amor e carinho. Alguém realmente goste de animais e não aquele fogo de palha que só dizem gostar de nós.

Pois, se não foi para sermos felizes, porque nascemos?

Beijo no coração,

Lucas

 

 

 

Melinda, dois dias e duas noite na chuva pedindo socorro

Oi, eu sou a Melinda, minha mãe me resgatou em uma noite fria e chuvosa. Uma mulher sem coração e sem noção me adotou, mas com ela não gostava de mim, deixava eu trancada em um quarto e não colocava areia para eu fazer minhas necessidades fisiológicas, então eu fazia no chão mesmo, ela ficava muito brava, mas eu não tinha, opção. Eu também miava muito, não gosto de ficar sozinha e presa, eu acho que nem os humanos gostam, né!

Eu sou um felino, preciso de um local adequado para viver, preciso amor, carinho e atenção, com essa humana eu não tinha nada disso, só sofria…ela me xingava, dizia que eu era porca, feia e que me jogaria na rua.

E num dia chuvoso ela me abandonou. Passei frio, fome, sede e tive muito medo. Fiquei procurando abrigo, pois todos sabem que gatos não gostam de água, bom, pelo menos a maioria e eu estou entre a maioria, kkkk.

Como eu estava dizendo, o desespero me tomou e eu gritava cada vez mais alto na esperança que algum humano de bom coração e consciente da nossa existência (animais) me ouvisse e me resgataria. Acabei entrando em quintal e tentei entrar pela janela da casa, mas os humanos sem noção daquela casa não me aceitaram e pior nem tentaram me ajudar, eles são uns insensíveis, só sabem procriar, isso eu também, sei…só a minha mãe não sabe, kkkk

Então, como eu estava dizendo, fiquei lá desesperadamente pedindo socorro, eu só queria sair da chuva, comer e beber água, mas ninguém se importava comigo, com o meu sofrimento. Mas como Deus é grande e São Francisco ajudou, eles deram um toc, a mamãe me ouvi e veio correndo em meu socorro, ela me levou para nossa casa na mesma hora.

A mamãe me disse que eu não gostaria daquela casa, assim como não gostei da outra, é um muquifo, tem um monte de gente entrando e saído o tempo todo, um monte de criança, aff…e mulheres não cuidam nem delas mesmas, como cuidariam de mim…uma gente estragada, credo!

Minha mãe também me disse que tempos depois uma de suas amigas, havia comentado que minha antiga dona não gostava de mim e que havia me abandona. Minha mãe ficou mastigando essa história e um dia encontrou a fulana e deu umas culapadas nela, falou tudo que aquela bruxa precisava ouvi e que se eu pudesse teria tido; a bruxa ficou quietinha e a mamãe disse mais: se ela (bruxa) fizesse aquela crueldade com outro animalzinho, mandava dar uma surra nela e prendê-la, bem feito!

Enfim, hoje sou muito feliz, tenho uma casa confortável, alimento a vontade e água fresquinha e limpa, irmãos e irmãs; somos uma família grande, mais bicho do que gente, minha mãe não gosta muito de humanos, ela nos prefere, os animais…ela tem pouquíssimos amigos humanos, pessoas parecidas com ela…

Eu brigo com minha irmã Charlotte e não gosto das crianças (filhotes da Charlotte), também não converso com a Negona (cachorra), ela vive me olhando com aquele olhar de psicopata, ela é antissocial, ataca quase todos, só respeita e ama a mamãe…também a mamãe vive “lambendo” nós, quem não gosta, né!

Eu sou extremamente saudável, feliz e amo a minha nova vida!

E penso, se não foi para ser feliz porque existo!

Beijo no coração,

Melinda

Meus Amores – hoje