10 formas simples para combater o estresse nos estudos

Sabe quando você recebe os resultados da correção das últimas provas após uma maratona de estudos?

Você estudou tanto e quando vê suas notas não acredita, não conseguiu acertar aquelas questões que considerava mais fáceis!

E os pensamentos ficam saltando na sua cabeça “não consigo memorizar o que estudo”, “tenho memória ruim”, “como vou passar no vestibular desse jeito”!

Você se sente pressionado a obter melhores resultados e sente até dor de cabeça por estudar demais.

Esses são sinais de esgotamento. O estresse nos estudos aparece geralmente antes ou durante a realização de testes. Os sintomas podem ser físicos e mentais e, geralmente, inibem sua capacidade de agir da melhor maneira possível e isso inclui seu desempenho nas provas, ENEM, vestibular e concursos públicos.

Para combater o estresse nos estudos, primeiro você precisa entender as razões por trás e identificar alguns sinais. Então você pode experimentar métodos recomendados por especialistas para reduzir as pressões que sente.

E se você é um estudante esperto fará uma pausa para ler e escolher uma maneira que o ajudará a superar o estresse nos estudos. Confira!

Entenda o que é estresse

estresse_nos_estudos-excesso_taticas_de_estudo_quando_o_estudo_nao_rende_como_memorizar_os_estudos_nao_consigo_memorizar_o_que_estudo_dor_de_cabeça_por_estudar-demais_como_decorar_os-assuntos_da_prova

O estresse é a reação do corpo a um desafio. E se você chegou até este texto cansado irá considerar que todo o estresse é ruim, mas esta reação pode ser boa em algumas situações. Por exemplo, a emoção e ansiedade antes de uma festa é um tipo de “estresse positivo”.

De acordo com o médico Dr. Drauzio Vallera, o estresse produz uma reação fisiológica em seu corpo, te deixando em estado de alerta, processo chamado de “combate ou fuga”.

Na prática nosso corpo está preparado para fugir do estressor ou ficar por perto e lutar, é uma defesa natural do organismo. Por exemplo, num acidente, seu corpo irá reagir para escapar da situação.

O problema está quando você é exposto a muitas situações desafiadoras e estímulos estressores por um longo período; isso pode levar você a sofrer de estresse crônico.

A médica psiquiatra do Hospital das Clinicas da USP, Alexandrina Meleiro, expressou bem os efeitos do estresse crônico: “O estresse age como os cupins que vão roendo a madeira até sobrar só uma capa externa de verniz.”.

O fato é que quando não reduzido ou administrado o estresse nos estudos pode se tornar crônico e irá afetar sua saúde.

Veja alguns sintomas abaixo e se você perceber que está com estresse crônico procure ajuda de um profissional especializado.

Estresse nos estudos e seus efeitos

Existem 4 tipos principais de sintomas de estresse: físico, emocional, cognitivo e comportamental. Confira alguns dos tipos de sinais que podem indicar que você está com estresse nos estudos!

Sinais que seu corpo está estressado

Fica doente com mais frequência do que o normal, dores de cabeça, náusea, dificuldade para dormir, azia ou indigestão, cansaço extremo.

Sentimentos e emoções a “flor da pele”

Sem paciência, mais tristeza e aquela sensação de depressão, inquietação, quer ficar isolado.

Desempenho nos estudos

Não consegue se concentrar, não consegue memorizar o que estuda, lê um texto e se esquece do que leu logo depois, têm problemas em lembrar coisas, como tarefas de casa ou prazos de provas.

Sinais de estresse percebidos no seu comportamento

Passa a comer mais ou deixa de comer, começa roer as unhas, às vezes está mais acelerado e agitado e às vezes está mais lento, costumava ser todo organizado e agora se atrasa pra tudo, fica irritado facilmente com as pessoas, resmunga até com seus melhores amigos, sempre de mau humor.

10 formas para reduzir o estresse nos estudos

Atitudes de gerenciar ou reduzir o estresse nos estudos incluem:

1. Aprenda técnicas de estudo

Uma das causas do estresse nos estudos é o medo de você não ter estudado o suficiente. Ao utilizar técnicas para melhorar seu desempenho, você pode reduzir esse medo.

Procure seu professor ou tutor da sala para ajudar a explicar conceitos, utilize cartões para estudar e memorizar, enfim, invista em técnicas e táticas de estudo para aprender com mais eficiência, isso pode fazer toda a diferença.

2. Faça simulados para provas

Você passará por maior estresse nos dias de provas e exames. Para minimizar os efeitos da ansiedade prepare-se antes fazendo simulados das provas, não apenas resolvendo as questões de concurso e provas antigas sobre os conteúdos das disciplinas.

Simule também o ambiente de prova, use apenas os materiais permitidos e utilize um cronometro para praticar as condições do exame.

Esta tática de estudo irá te ajudar a se familiarizar com condições de teste e reduzir seu estresse no dia da prova.

3. Cuide de sua alimentação

Isso significa prestar atenção a sua dieta, comer bem e corretamente. Por exemplo, muita cafeína pode aumentar os sintomas físicos do estresse nos estudos.

É um erro comum dos estudantes quando estão cansados, ou após uma noite mal dormida, recorrerem a “litros de café” e isso só piora o quadro de ansiedade.

Consulte uma nutricionista para saber quais são os melhores alimentos que podem dar mais disposição, ser bons para memória e concentração.

4. Durma o suficiente

Se você está ansioso por causa de uma prova talvez perca o sono, ou fique estudando até tarde e durma menos que o recomendado para sua idade (7 a 8 horas para a maioria das pessoas).

Os médicos são claros quanto a isso, se você não dormir o suficiente irá prejudicar sua memória e as habilidades de raciocínio, isso irá prejudicar seu desempenho nos estudos e tornarão seus dias na sala de aula muito mais difíceis.

5. Aprenda sobre gerenciamento de tempo

Se você esta preocupado com provas e exames não precisa adicionar ainda mais estresse com atrasos e menos tempo para fazer o teste como resultado de um bloqueio no trânsito ou de uma alteração de local do concurso.

Previna essas situações para ter tempo suficiente nos dias de provas importantes como vestibulares e concursos públicos.

No colégio muito se ensina sobre matemática e português, mas pouco se fala sobre como gerenciar melhor o tempo para ser mais produtivo nos estudos e na vida.

Se você quer ser uma pessoa bem sucedida aprenda técnicas de gerenciamento de tempo; faça um cronograma de estudos com quadro de horários para aprender sobre as disciplinas, invista em táticas de estudo para ser mais produtivo.

Isso irá reduzir e muito sua ansiedade já que impacta diretamente nas suas horas de sono, nos intervalos para refeições, descolamentos para compromissos e tempo para relaxar.

6. Encontre formas de relaxar

Há várias técnicas que podem reduzir o estresse nos estudos. O que te acalma mais? Respirar fundo? Meditação? Música clássica? Assistir um desenho animado? Assistir um filme de comédia? Qualquer técnica de relaxamento que você escolher pode ajudar a reduzir os sintomas de estresse nos estudos.

7. Faça alguma atividade física

Para prevenir quadros de estresse crônico ou para reduzir ansiedade, os especialistas recomendam a prática de atividade física com regularidade.

O sedentarismo é considerado uma das causas de distúrbios de estresse e podem levar a outras doenças. O exercício físico pode liberar a tensão, aumentar a oxigenação e os níveis de hormônios do bem estar.

E quanto menos tensão você sentir quando estiver diante de uma prova, melhor será seu desempenho.

8. Tenha uma válvula de escape

Tenha uma válvula de escape. Na prática sua “válvula para liberar a pressão” pode ser uma atividade social, como sair com amigos ou praticar esportes e atividades físicas, encontrar um hobby ou participar de um clube de lazer.

9. Previna o estresse das dívidas

Muitos estudantes universitários precisam morar longe dos pais, e esta mudança por si só já é estressante. Outros fatores são o estresse de lidar com o dinheiro e o orçamento, dívidas com mensalidades atrasadas da faculdade ou no cartão de crédito, suspensão de bolsas de estudos.

Antes que fique sobrecarregado de tanta preocupação com o dinheiro procure investir em sua educação financeira para ter informações e conselhos sobre como gerenciar melhor seu orçamento e se preparar para faculdade ou morar sozinho.

10. Converse sobre o estresse nos estudos

Converse com alguém. Às vezes, falar sobre o que te deixa preocupado ou ter alguém ouvindo seus problemas pode reduzir muito o estresse nos estudos.

Além do ombro amigo de uma pessoa querida e próxima, você pode ter apoio por meio de um orientador profissional, ajuda de psicólogos ou psiquiatras para tratar das causas de ansiedade e estresse crônico. Pessoas que podem fornecer serviços para você cuidar da saúde mental e emocional.

Qual dessas dicas para reduzir o estresse nos estudos você vai colocar em prática?

Bons estudos!

Fonte: Canal do Ensino

Por: Maria Angélica

 

Anúncios

Como manter a concentração estudando pelo computador?

Uma das principais reclamações das pessoas que tentam estudar pelo computador é que depois de um determinado tempo, é praticamente impossível terconcentração nos estudos.

A partir do momento que a concentração acaba, a pessoa se distrai em jogos online, redes sociais ou vídeos, mas completamente inúteis e que não agregam nada para o conhecimento.

Entretanto, pode ter certeza de que se isso acontece com você, não significa que você tem algum tipo de déficit de atenção.

Na verdade, isso acontece com todo mundo, por mais que tentemos nos focar por um tempo um pouco mais longo, sempre há um momento que nos distraímos, assim a concentração nos estudos vai embora, mas por que será que isso acontece? Confira!

Como explicar a falta de concentração nos estudos?

estudando_pelo_computador

A primeira coisa que você precisa entender é o significado de concentração. A concentração é a capacidade que o nosso cérebro tem de captar uma determinada informação, analisar o seu grau de importância, armazenar o que ele considera útil, e o que ele acredita que não tem utilidade para a nossa vida, ele simplesmente descarta.

Quer um exemplo? Agora mesmo, enquanto você lê esse post, o seu cérebro está executando todas as ações que foram ditas anteriormente.

Se você está lendo com atenção, focado, sem que os fatos exteriores interfiram na sua concentração, o seu cérebro vai entender que está fazendo algo importante, e vai armazenar essa informação.

A explicação para isso é bem simples, quando estamos concentrados nos estudos, a área ativada do nosso cérebro é o córtex frontal.

Mas se você se distrai, por exemplo, com um grito de medo de uma cena do filme que está passando, o córtex frontal é desativado pra se ativar o córtex parietal, que é o responsável pela resposta de surpresa ou susto.

Outro fator explicado pela neurociência que justifica a falta de concentração nos estudos é a redução dos níveis de noradrenalina, que é um hormônio liberado pelo nosso cérebro e que atua na memória e no processo de aprendizagem.

Nesse caso, se seus níveis de noradrenalina estão baixos, você começa a sentir sono durante os estudos. Por outro lado, quando os níveis de noradrenalina estão altos, a pessoa fica mais concentrada durante os estudos.

Quais os fatores que mais interferem na concentração nos estudos?

Todos sabemos que existem inúmeros fatores que podem interferir na concentração nos estudos, esses fatores podem ser externos e você não pode controlá-los.

Por exemplo, um vizinho ouvindo música no volume máximo, ou fatores que estão sob seu controle, cabendo a você dar mais ou menos importância a isso do que a seus estudos. Quer um exemplo? Ficar em redes sociais a maior parte do tempo.

Veja outros exemplos que podem interferir na concentração nos estudos!

Sono durante os estudos

O sono é um fator que interfere e muitos nos estudos, pois além de tirar a concentração, ele ainda interfere na memória e no processo de aprendizagem.

Uma noite mal dormida é sinônimo de problemas durante os estudos, por isso, o recomendado é que se tire um cochilo de trinta minutos, e depois volte aos estudos, dessa maneira, sua capacidade de concentração nos estudos voltará com toda força.

Má alimentação

Uma boa alimentação não é boa apenas para manter o corpo em forma e saudável. Uma boa alimentação também é fundamental para nutrir o nosso cérebro.

Se você se alimentar de forma inadequada, ingerindo alimentos ricos em açúcares, por exemplo, provoca sérias alterações no seu cérebro, isso porque, o principal alimento para o sistema nervoso é o açúcar, que em excesso causa sintomas adversos.

Ao ingerir alimentos ricos em açúcares, você tende a ficar mais irritado, hiperativo e a concentração cai drasticamente. Então para garantir sua concentração nos estudos, coma alimentos como salmão, abacate e mirtilo.

Sentimentos negativos

Quando estamos com emoções negativas em nossa mente, elas tendem a nos deixar mais irritados, tensos, ansiosos e desmotivados, a concentração nos estudos é afetada. Além disso, os sentimentos negativos também atrapalham no processo de aprendizagem e na memória.

Essa falta de atenção se dá por que estamos tão focados em alimentar o sentimento de raiva ou nervosismo, por exemplo, que esquecemos completamente o que estamos fazendo naquele momento.

Por isso, por mais difícil que seja, não deixe que problemas externos prejudiquem a sua concentração nos estudos.

Distração durante os estudos

Essa, sem sombra de dúvidas, é a principal razão para a queda na concentração durante os estudos. No mundo em que vivemos hoje, o que mais vemos, são coisas que nos tiram a atenção com facilidade, um bom exemplo, o WhatsApp.

Quem nunca parou o que estava fazendo para ver uma mensagem que chegou, mas era só uma mensagem de bom dia em algum grupo?

Outra distração que atrapalha a concentração nos estudos é assistir televisão ou ouvir música ao mesmo tempo em que estuda.

Dicas para melhorar a concentração nos estudos

Apesar da lista com os motivos para perder a concentração nos estudos ser extensa, existem formas de driblas esses fatores, para assim se dar super bem em seus estudos. Veja agora algumas dicas para manter a concentração estudando pelo computador.

Utilize o método Pomodoro

Estudar usando esse método é bem simples, basta você tirar alguns minutos para descansar durante os estudos. Acredita-se que essa pausa faz com que nosso cérebro descanse, permitindo que os processos de memorização e aprendizagem sejam mais efetivos.

Para usar esse método, não se deve usar tempos de estudo e descanso aleatoriamente, na verdade, existem estudos que comprovam que para cada 25 minutos de estudo, você tire 5 minutos de descanso, mas atenção!

Essa pausa não é para usar o celular, é para levantar, beber um pouco de água, ir ao banheiro, ou seja, nada de manter o contato com seu computador ou celular.

Se fizer isso:

1 – Sua mente vai se cansar rapidamente e você não vai ter a concentração necessária quando voltar aos estudos.

2 – Você pode se distrair navegando na rede e esquecer do tempo de descanso, dos estudos.

Você pode baixar em seu celular gratuitamente o aplicativo Pomodoro.

Seja realista em suas metas

Não adianta você falar que vai ler um livro de literatura em 8 horas, se você sabe que o seu corpo pode não aguentar esse tempo de dedicação à apenas uma atividade. Respeite o limite do seu organismo, do contrário, não vai obter os resultados esperados.

Imponha metas para você mesmo, por exemplo, hoje vou estudar geografia e história, amanhã vou estudar inglês e espanhol, e assim por diante. O importante é não sobrecarregar sua mente, se insistir nisso, seu cérebro ficará cansado e o aproveitamento será zero.

Estude em um ambiente tranquilo e silencioso

Nada de estudar na sala com a televisão passando sua série favorita, ou em seu quarto com a música no volume máximo. Sente-se em um lugar destinado para estudos.

O importante é você ter privacidade e silêncio para se concentrar nos estudos.

Mantenha seu lugar de estudo sempre limpo e organizado, coloque sobre a mesa apenas os materiais que vai usar para o estudo do dia. Nada de colocar objetos que possam te distrair, como por exemplo, o celular.

Música versus estudos

Você gosta muito de ouvir música durante os estudos? A única exceção que deve ser aberta para música durante os estudos, são aquelas destinadas à auxiliar na concentração.

No YouTube e no Spotify você vai encontrar algumas listas de músicas para concentração. Pode ter certeza que isso vai te ajudar a aumentar a concentração nos estudos.

Descanse na hora de descansar

Nas horas livres, que tiver disponível para descansar, faça isso, repouse. Se você tira uma hora por dia para descansar, mas fica jogando no computador, você não está deixando o seu cérebro relaxar, assim, quando você voltar aos estudos, estará com a mente cansada, sem condições de se concentrar.

Use a estratégia da recompensa

Essa estratégia funciona da seguinte maneira: você define uma meta de atividades que vai estudar durante a semana, se conseguir cumprir, no final de semana se recompense.

Pode ser um cinema, balada com os amigos, enfim, coisas que você gosta muito de fazer. Essa é uma forma de automotivação, pois você vai se beneficiar caso consiga cumprir a sua programação de estudos.

O que você achou dessas dicas para estudar pelo computador sem perder a concentração?

Bons estudos!

Fonte: Canal do Ensino

Por: 

9 dicas simples de como estudar com eficiência

Você está se preparando para concurso ou exames importantes e está com dificuldades para estudar? Não se preocupe, estamos aqui para ajudar mais uma vez. Nesse artigo você encontrará 9 dicas simples de como estudar com eficiência. Aproveite!

9 dicas simples de como estudar com eficiência

como_estudar_com_eficiencia_

Em sua vida de estudante provavelmente encontrou  várias técnicas e métodos para auxiliar sua concentração nos estudos e formas de obter os melhores resultados. São tantas possibilidades, que muitas vezes acaba se perdendo e no final não consegue realizar o que foi proposto.

Por esse motivo, procuramos ajudá-lo: pesquisamos diversas técnicas, dos mais conceituados especialistas e resumimos aqui em 9, acreditando que sejam realmente eficientes para passar em qualquer prova ou concurso, seja estudando sozinho ou em grupo.

1-Dica para concurso: Estude as regras e as exceções os conceitos e as classificações 

Essa dica foi dada por Gerson Aragão, fundador do Método de Aprovação, para concursos. Gerson experiente em concursos, passou em vários, hoje assume o posto de Defensor Público.

A intenção de quem estuda para concursos é superar os concorrentes, que estudam tudo, estão sempre a 1 passo da aprovação, precisa assim de um diferencial onde possa ganhar tempo e ser mais eficiente na hora da prova.

Aprendendo as regras dentro de cada disciplina e suas exceções o estudante ganha tempo ao resolver as questões da prova. Da mesma forma acontece quando se estuda os conceitos e suas classificações. Eles poderão estar embutidos nas questões e o candidato atento saberá definir.

As dicas de Gerson estão no algo mais que o estudante pode fazer para se sobressair nos estudos. Então em relação a isso, ele também sugere que se faça uma análise prévia sobre o concurso e, antes de estudar, marcar o no conteúdo o que é importante segundo essa análise.

Outra coisa importante segundo ele é acrescentar informações extras relevantes nos resumos de estudo. Dessa forma estará ganhando tempo, focando no que realmente interessa no conteúdo para prova.

2-Estudos fracionados

Estudar muitas horas ininterruptamente já foi comprovado por vários especialistas que não é eficiente. Se você tem disponível para estudar o dia todo, ótimo! Mas não fique todo o tempo estudando. Em determinado momento seu cérebro para de assimilar e seu estudo será em vão.

O ideal é que fracione, em blocos de mais ou menos 30 minutos, intercalando com outras atividades para descansar o cérebro. Tente não estudar só uma matéria também, mesmo que seu conteúdo seja extenso.

Estude um pouco de uma disciplina, dê o intervalo e, se sentir que há necessidade, continue. Pode até voltar nela no final do expediente se for preciso, mas evite. Já ouviu falar do método Pomodoro? É uma ótima técnica para utilizar e dividir seu tempo. Vale a pena utilizar.

3- Ambiente de estudo 

Uma maneira de tornar eficiente seus estudos é antes de mais nada, cuidar do seu ambiente de estudo. Se possível vá até uma biblioteca onde tenha uma ambiente adequado a quem queira ficar sem ser incomodado. Nos intervalos dê uma volta, vá tomar um suco, tire um cochilo. Depois volte a se concentrar. Esse é o ambiente ideal para quem precisa estudar muito.

Porém, se não há possibilidade de acessar uma biblioteca, se estuda em casa, escolha o melhor local onde possa ficar sem ser incomodado. Dê preferência a um ambiente com porta, com luminosidade suficiente para não forçar suas vistas, com pouca ou nenhuma influência externa.

Procure ficar em um ambiente com cadeira e mesa. Evite, tanto os lugares aconchegantes demais – a não ser que você consiga se policiar e não cair na tentação de dormir- quanto os lugares desconfortáveis: se atente à postura em relação ao computador e à cadeira. São atitudes como essas que auxiliam em sua concentração para atingir seus objetivos de estudo.

4 – Rotina

Estabeleça uma rotina diária pra estudos. Tire um dia na semana pra descansar totalmente, os outros 6 dias estude. Faça um cronograma de estudos baseado em sua análise prévia do concurso. Tenha uma agenda onde possa separar todo o seu tempo.

Seja honesto consigo mesmo: não adianta separar horas do seu dia para estudar e não cumprir. A partir do momento que reservar esse tempo se obrigue a isso. Caso não consiga, adapte sua agenda, mas siga uma rotina certa. Dessa maneira conseguirá com o passar do tempo ter uma noção certa de quanto consegue cumprir o conteúdo.

Reveja sua agenda sempre que houver necessidade de mudar a rotina, como nas férias por exemplo. Não adianta ter um cronograma engessado e não conseguir seguir. Isso gera frustração e vontade de desistir. Previna isso revendo sua agenda quando preciso sem esquecer de manter sua rotina de estudos. Seja organizado para conseguir manter a rotina.

5- Prepare sua mente e seu corpo

Estudar pode ser uma ação que requer muito mais esforços do que se imagina, principalmente se você vem estudando a muito tempo para um concurso e não consegue passar. Ou para quem tem o dia muito atarefado com trabalho ou educação dos filhos e só tem algumas horas do dia para isso.

Mesmo pra quem tem todo o tempo disponível para se dedicar aos estudos mas tem dificuldade para se concentrar pode ser tarefa muito difícil. São casos e situações diversas que em algum momento poderá atingi-lo. Por isso é bom ter algum tipo de preparação para esse momento.

  • Durma bem– não precisa ser muitas horas, desde que seja profundamente
  • Se alimente bem – evite alimentos pesados, frituras, bebida alcoólica – prefira alimentos saudáveis, nutritivos.
  • Faça exercícios físicos: pelo menos uma caminhada vigorosa por dia.
  • Tire um tempo para descansar de estudos. Um dia na semana já é suficiente.

6- Ensine outra pessoa

Professor Piccini, especialista em aprendizagem e desenvolvimento pessoal em sua página Para Estudar e Aprender dá essa dica. Segundo ele, essa atitude ajuda a clarear a mente, a organizar o conteúdo para ensinar, a melhorar sua compreensão.

Para ensinar alguém você precisará de preparar-se antes, precisará entender e escolher a melhor maneira para ensinar. Como sugestão ele indica que se dê mini aulas para um grupo de colegas. Isso lhe ajudará a fixar o conteúdo.

Além dessa dica, Piccini reforça a necessidade de saber qual é o seu melhor horário de estudo, para que se torne mais eficiente esse momento individual ou em grupo. Caso não seja possível, desenvolva o hábito para acostumar com a rotina de estudos noturnos, será sempre necessário.

7- Pratique

Todos os métodos de estudo abrangem esse tópico: praticar, fazendo as questõesreferentes ao material que esteja esteja estudando. A melhor forma é resolvendo provas antigas do certame. Existem páginas na internet que fornecem questões ou simulados para serem feitos online.

Provas poderão ser baixadas da internet, tem ainda aplicativos, softwares e apostilas  que disponibilizam esse material que é de fundamental importância para garantir a efetividade do seu aprendizado.

8- Afaste-se de distrações

Você já deve ter percebido o que te distrai nesse mundo conectado, mas não custa nada reforçar pois realmente é um fator que atrapalha muito em sua missão de estudar com eficiência: afaste-se de televisão, celulares e redes sociais. Deixe para usar quando não estiver no seu horário de estudo.

Hoje em dia existem grupos de estudos em redes sociais, porém não se boicote: no momento de estudo desligue o celular, ou deixe no silencioso, fique offline. Reserve em sua agenda a hora de mexer nas redes sociais e cumpra esse horário. Não deixe que isso atrapalhe seus objetivos. Seja rígido nesse ponto.

A internet poderá ser bem utilizada para seus estudos: nos canais do Youtube, que disponibilizam vídeo aulas gratuitas, em plataformas de estudo, cursos online. Precisa ser bem disciplinado pra não deixar-se distrair por algum outro assunto e assim furar seu compromisso de estudo. Por isso, tenha horário reservado para isso na agenda. E cumpra!

9-Não seguir técnicas de estudo!

Não se espante! Vamos explicar: William Douglas, autor do best-seller Como passar em provas e concursos dá essa dica. O que ele disse foi que existem inúmeras técnicas de estudos, porém elas não funcionam da mesma maneira para todos. Mesmo a técnica mais eficiente, em algum momento poderá não funcionar com você.

Personalize a sua técnica de estudo: veja o quê funciona com você e adote para sua vida. Adapte conforme sua realidade. Preste atenção ao que dá certo e mude o que não dá. Talvez precise de unir duas ou três técnicas para definir o seu método eficiente de estudo.

Mas é bom saber que, segundo ele, algumas dicas funcionam para todos:motivação, otimização do tempo, organização, dedicação, treino, revisões periódicas, estudar em ambiente tranquilo -dicas que foram listadas acima.

Tudo isso vai acontecer conforme o tempo for passando. Não adianta correr. Também não adianta estudar várias horas do dia se não for com qualidade. Conforme ele mesmo disse: “a direção correta é mais importante que a velocidade”.

Leia também:

Quais informações estão no edital de concurso

Bons estudos.

Guia completo de como ser poliglota e aprender um idioma rapidamente

Você já ouviu falar do termo “poliglota”? Talvez você esteja perguntando: “O que é ser um poliglota?” Ou “Como ser um poliglota?”.

Muitas pessoas gostariam de aprender novos idiomas, mas não sabem como. Hoje vamos explicar o que significa ser um poliglota e dar dicas para você aprender um novo idioma rapidamente.

Confira!

O que é ser um Poliglota

como_ser_poliglota_como_ser_um_autodidata_matrizes_brasileiros_famosos_segredo_qualquer_idioma_em_3-meses_aprender_outro-idioma_sozinho

De acordo com o Dicionário de Língua Portuguesa Michaelis, poliglota é simplesmente “Pessoa que fala ou sabe mais de quatro línguas”.

Também pode significar algumas outras coisas em outros contextos, por exemplo, quando um texto aparece em mais de um idioma, geralmente em colunas paralelas para comparação.

Mas a maneira mais comum de usar o termo poliglota é para se referir a uma pessoa que domina vários idiomas, geralmente 4 ou mais idiomas.

Isso pode parecer estranho para os brasileiros que tem a língua portuguesa predominante como idioma reconhecido, porém em muitos países da Europa, Ásia e em algumas partes da África, a maioria das pessoas já fala 3 ou 4 línguas desde criança, pois nestes lugares há mais de um idioma oficial. Então, em alguns países ser um poliglota não é incomum.

Há ainda pessoas que dominam mais de 6 idiomas com muita naturalidade, e são chamadas de  hiper poliglota.

Mas qual é o segredo dos poliglotas e dos hiper poliglotas? Será que essas pessoas têm algum dom especial ou são superdotadas?

Pode ser que algumas delas tenham sim mais facilidade para aprender línguas, porém o que todas têm em comum?

Pessoas como o Papa Bento XVI, que fala 6 idiomas: espanhol, italiano, alemão, francês e inglês, um pouco de português.  O Papa Francisco, como também é chamado, já chegou a fazer um discurso em 27 línguas, apesar de não dominar todos os idiomas.

Continue lendo para conhecer alguns segredos dos poliglotas e descobrir o que essas pessoas fazem para dominar tantos idiomas.

Como ser um poliglota? Qual é o segredo dos poliglotas?

Essas pessoas em algum momento tomaram a decisão de aprender um novo idioma, seja por motivos profissionais ou pessoais. E o que fazem em seguida, é experimentar técnicas mais eficazes para aprender uma nova língua, eles aprendem “como aprender” e investem em estratégias.

Para entender como uma pessoa se comunica, imagine que seu cérebro funcione com um computador; o cérebro executa várias atividades programadas e aciona varias áreas como a percepção auditiva, o controle motor, memória semântica, e o sequenciamento de palavras.

Assim, para que a pessoa possa aprender e falar uma nova língua, o cérebro precisa fazer novas conexões e uma nova programação, para dominar as novas estruturas do som e das palavras.

Esses caminhos neurais são fortalecidos com a repetição, por isso é importante encarar o sonho de ser poliglota como uma jornada em que seu cérebro estará arquivando novos conhecimentos na sua memória.

Crie o hábito de estudar idiomas

Para memorizar de um novo idioma a pessoa precisa fortalecer as “novas programações”. O cérebro procura formas de poupar energia e esforço, isto é, se torna mais eficiente no aprendizado e para executar qualquer tarefa transformando toda rotina em hábito.

Quando você o executa uma rotina diversas vezes, isso é, quando faz uma atividade da mesma forma repetidas vezes, o cérebro aciona aquela “programação” de forma automática.

Por que o hábito de estudar é importante para você ser poliglota? Porque é justamente o que você vai usar para conseguir dominar os novos idiomas com mais eficácia.

Qualquer hábito possui 3 fases, a deixa, a rotina e a recompensa. O hábito de estudar idiomas também. Entenda cada etapa do hábito:

  • Deixa: estimulo que faz com que seu cérebro acione a “programação” entre no modo automático.
  • Rotina: É a atividade que você faz repetidamente. No caso para ser um poliglota você irá executar diferentes atividades que envolvem o aprendizado de idiomas.
  • Recompensa: É o que irá estimular seu cérebro a identificar que aquela rotina é importante, e isso irá fazer com seu cérebro “arquive” o novo conhecimento.

Por exemplo, um poliglota que já estabeleceu o hábito de estudar idiomas pode estar navegando na internet e quando escuta o som do alarme do seu celular (deixa) fecha sua mídia social e abre seu aplicativo para fazer suas lições no novo idioma que está treinando, depois faz uma pausa e toma um cappuccino (recompensa) enquanto escuta sua playlist.

A recompensa é sempre algo que dá sensação de prazer, a deixa é algo que o faz “lembrar” da sua rotina.

Para colocar essa dica em prática continue lendo e veja como desenvolver o hábito de estudar idiomas para se tornar um poliglota.

Prepare um plano de estudos para aprender qualquer idioma

Como está sua rotina? Reflita como estão seus horários e a distribuição de atividades.

Identifique oportunidades para você inserir planos de estudo de idiomas e horários que poderá ter contato com o novo idioma mesmo em deslocamento ou fazendo outras atividades, como ouvir áudios enquanto está na academia.

Para se tornar rotina é importante que essas atividades do seu projeto para ser um poliglota sejam repetidas por mais de 3 ou 4 dias na semana.

O ideal é que você tenha um local destinado para suas sessões de estudos de idiomas, isso irá funcionar também como “deixa” para reforçar o hábito.

Use algo que seja capaz de informar a seu cérebro para acionar o seu modo automático de aprender idiomas (hábito de estudar), você pode utilizar aplicativos como Duolingo e Memrise.

Organize seu material para estudar idiomas

O hábito de organizar seus materiais de idiomas irá fazer você acelerar sua jornada para se tornar um poliglota.

Caso não tenha um local de estudo em casa ou numa biblioteca, deixe sempre na sua mochila um caderno pequeno, canetas, um livro e aplicativos no celular para estudar onde estiver.

Invista em bons livros didáticos e materiais para poliglotas

Você pode baixar aplicativos com dicionário de idiomas e utilizar dicionários online, mas para os idiomas que queira realmente se aprofundar também invista em bons dicionários para tirar dúvidas e para descobrir novas palavras relacionadas ao seu dia a dia.

Pesquise bons livros para estudantes de idiomas, feitos pensando nos poliglotas esses livros são elaborados com diversas combinações de idiomas, com paginas com colunas e comparações entre dois idiomas.

Por onde começar? Pesquise livros como os da Série “Assimil – Sem esforço” há vários com combinações de Francês-Português, Espanhol-Português, Italiano-Português e outros.  Os livros apresentam diálogos do novo idioma em uma página e na pagina ao lado há explicações no idioma de apoio. Alguns livros também são acompanhados de áudios e são ótimos para o estudante que quer focar na oralidade e conversação.

Siga os passos dos poliglotas

Se você quer realmente encontrar respostas para “Como ser um poliglota” siga os conselhos de quem já dominou as técnicas de estudo e falam mais de 4 idiomas. Você pode conhecer essas pessoas em chats, conferencias e seminários para poliglotas e através de livros e sites.

Materiais como livros escritos por poliglotas, por exemplo, o livro “Babel no more” elaborado pelo hiper poliglota, Michael Erard, podem te dar preciosas lições e estratégias para você se inspirar.

Pesquise sobre pessoas que falam diversos idiomas como o hiperpoliglota Luca Lampariello. Lampariello fala 10 línguas e tem um site bem interessante, o “The Polyglot Dream”. No site você encontra artigos sobre as viagens que ele faz, algumas postagens são disponibilizadas em 3 idiomas com texto e áudio!

Comemore sempre seus avanços

Lembra-se do que falamos sobre as 3 fases do hábito? Então estipule pequenas recompensas para se presentear logo após suas sessões de estudo e após conquistar metas na sua jornada para ser poliglota.

Estipule recompensas imediatas e simples como, comer um pedaço de chocolate ou assistir um filme, e outras formas de comemoração pela conquista de seus resultados quando conseguir conversar ou entender uma frase completa.

Conheça sobre os aspectos culturais

Pesquise bastante e seja curioso sobre a cultura relacionada ao novo idioma. Descubra fatos sobre os nativos do idioma que quer aprender. Descubra a história da língua e da nação, literatura, principais cidades, gastronomia regional, filmes produzidos, músicos e personalidades.

Estude outro idioma com áudios

Faça exercícios para compreender o idioma escolhido com temas do cotidiano num curso ou site que tenha muito exercícios e materiais com áudios.

Uma ótima dica é o site 50 linguagensvocê pode acessar cursos de 50 idiomas e 100 arquivos de áudio gratuitos organizados em categorias com os temas de cada língua.  Você também pode baixar o aplicativo e acessar de onde estiver, isso irá facilitar a fortalecer o hábito de estudar para ser um poliglota.

Treine a pronúncia com um gravador

Você pode treinar a pronúncia lendo em voz alta e utilizar um gravador enquanto faz a leitura de uma lista com números ou o alfabeto do novo idioma. Esse exercício simples irá te ajudar a aperfeiçoar a pronúncia.

Use todos seus sentidos para ser poliglota

Para aprender algo você provavelmente tem preferência por um método que explore mais a visão, a audição, a fala, ou a interação com seu corpo. Mas é importante que além do seu canal sensorial preferido você explore todos. Para isso faça exercícios que envolvam todos seus sentidos, com imagens além de som e escrita, isso irá acionar o seu canal visual e ajudará na memorização.

>>> Descubra os métodos utilizados pelos poliglotas para falar um novo idioma em tempo recorde.

Enriqueça seu vocabulário

Leia textos, assista vídeos e ouça músicas com conteúdos em diferentes idiomas para enriquecer seu vocabulário.  Através das mídias e principalmente das musicas você pode aprender diferentes palavras a cada dia. Essa é recomendação da poliglota Susanna Zaraysky que fala 8 idiomas e é autora do livro”Language Is Music“.

Treine a gramática e escrita com textos úteis do dia a dia

Para treinar a gramática, além dos exercícios indicados nos livros didáticos do novo idioma, escreva textos curtos que se utiliza no dia a dia, como receitas, e-mails, recados e seu currículo.

Encontre um parceiro de idiomas

Você pode convidar um amigo para aprender como ser poliglota e compartilhar as experiências durante sua empreitada para dominar várias línguas.

Mas é importante que praticar a língua como se fala “na vida real” e isso você irá conseguir conversando com um nativo.

Há vários sites para estudar idiomas com nativos, aqui no Canal do Ensino já compartilhamos várias dicas. Será ótimo para aprender a pronúncia correta e praticar a conversação.

Você já experimentou praticar uma língua com um nativo?

Estude outro idioma a partir do inglês

Essa dica ficou para o final porque no início da sua jornada para ser um poliglota não é indicado que você aprenda dois idiomas ao mesmo tempo. É importante focar em novo idioma primeiro para fortalecer sua memorização e depois ir introduzindo outro.

E quando chegar nesse estágio você pode aproveitar os inúmeros materiais disponíveis em inglês para estudantes de idiomas.

Uma dica é acessar os materiais do FSI (Foreign Service Institute), um órgão do governo americano, que disponibiliza vários cursos gratuitos para treinar diplomatas e outros funcionários que precisam viajar muito pelo mundo afora.

Você também pode aprender um novo idioma utilizando o inglês através de livros didáticos como a série dos livros Teach Yourself.

Como aprender qualquer idioma em 3 meses?

É possível ser um poliglota mais rápido? Esse é o desejo de quer dominar mais do que dois idiomas.

Há métodos que afirmam ser possível aprender qualquer idioma em 3 meses. Mas cada pessoa tem um ritmo de aprendizado, e o que pode acelerar o ritmo é a prática e a consistência.

Além do hábito de estudar idiomas você irá acelerar o processo para se tornar um poliglota aplicando as estratégias dos hiper poliglotas. As pessoas que falam 5, 6, 12, ou até 50 idiomas. Eles realmente sabem aprender novas línguas!

Você pode consultar diversas dicas para ser poliglota, mas nada pior do que ter um ótimo livro de um autor hiper poliglota, um cronograma de estudos pronto, se você nunca conseguir completá-lo!

Ao se deparar com seu quadro de horários e livros fechados você irá se sentir desanimado. E isso mina sua motivação para aprender idiomas.

Lembre-se que nada acontece da noite para o dia, o hábito é formado por repetição, assim como o desenvolvimento de uma nova linguagem também.

E se você não colocar em prática uma dica e passo por vez, continuará se frustrando. Coloque em prática tudo isso que você aprendeu aqui!

Bons estudos!

Qual o passo a passo para ser um estudante internacional

Decidiu estudar no exterior, mas não sabe quais são os primeiros passos? Ser um estudante internacional irá te trazer excelentes oportunidades de trabalho e crescimento em sua carreira profissional.

Sabia que o Estados Unidos já atraiu mais de 1 milhão de estudantes internacionais? Essa estatística faz do país a principal escolha quando o assunto é estudar fora.

Diante de tanta procura de intercâmbio no país, o Departamento do EUA criou mais de 400 centros de orientações, os chamados EducationUSA. Essa iniciativa visa ajudar os interessados estrangeiros a estudarem no país com orientações básicas como solicitação de visto estudante, quais são as melhores Instituições, bolsas de estudos, oportunidades de emprego, como se matricular, etc.

É fato que ser um estudante internacional requer muito planejamento e adquirir certos conhecimentos que irão fazer muita diferença no seu futuro profissional. Sendo assim, elaboramos um passo a passo completo de como ser um estudante internacional. Vamos conferir?

Como é ser um estudante internacional?

estudante_internacional

Um estudante internacional é conhecido como aquele que se dedica a viajar e conhecer vários países a busca de conhecimentos. Esses estudantes começam a se prepararem desde cedo para que essa jornada seja bem-sucedida.

A maioria dos estudantes internacionais fazem o Ensino Fundamental e o Ensino Médio em seu país de origem para depois cursarem uma graduação, pós-graduação e mestrado fora.

Porém, durante toda a formação do ensino básico e médio se dedicam ao máximo para obter excelência em notas, pois isso conta muito no exterior. Algumas Universidades, como a Harvard por exemplo, só aceitam alunos com um excelente currículo escolar. Não é à toa que a Universidade é responsável pela formação de gênios fora do comum que fizeram marca na história.

Um estudante internacional tem muitos benefícios fora do país de origem. Além da alta taxa de empregabilidade, o estudante pode sair de uma graduação com uma agenda cheia de contatos importantes, propostas de emprego e um aumento de experiência sem precedentes.

Estudar no exterior é, sem dúvidas, uma vivência única. Só quem já teve a oportunidade de estudar em uma Instituição de renome pode afirmar o quão benéfico foi para seu futuro profissional.

Você poderá trabalhar sendo um estudante internacional?

Side view on international student doing homework

Dependendo do destino escolhido pelo estudante, o custo de vida pode ser bem alto. Dessa maneira surge uma dúvida comum: Posso trabalhar sendo um estudante internacional?

Existe sim a possibilidade de trabalhar enquanto estuda, mas isso precisa ser decidido muito antes de pensar em estudar fora. Dependendo do tipo de visto escolhido, o aluno poderá somente estudar no país.

É o caso do visto F-1. Esse visto apresenta o aluno ao Governo como um não-imigrante. Dessa forma, há certas restrições como por exemplo, trabalhar em qualquer estabelecimento. Esse é um tipo de visto que é benéfico apenas para fins educacionais.

Contudo, há exceções nesse tipo de visto. Se o aluno entra no país com intenções de trabalhar e estudar, ele deverá seguir algumas normas rígidas que precisam ser cumpridas. Veja quais são elas:

  • Se dedicar aos estudos em tempo integral;
  • Sem permissão de trabalhar fora do campus durante o primeiro ano de estudos;
  • Depois da restrição do primeiro ano, só é possível trabalhar fora do campus, caso o aluno escolha um trabalho dentro de sua área de estudo.

Vale ressaltar que essas são os principais requisitos para trabalhar durante o estudo internacional com o visto F-1. Ainda existem outras cláusulas que são apresentadas ao aluno no próprio programa de intercâmbio.

O visto J-1 permite que o aluno exerça funções trabalhistas enquanto estuda no país. Há também regras como carga horária e área de atuação. Para quem pretende trabalhar, as Universidades oferecem uma série de oportunidades de emprego, prestações de serviços e notificações online. É o chamado departamento de desenvolvimento de carreira, que auxilia e orienta o estudante nas melhores opções de trabalho.

Muitos estudantes internacionais costumam trabalhar como voluntários ou estagiários durante o período de estudos. É uma possibilidade de permanecer na empresa após a formatura. Se o aluno decidir, pode renovar o visto para trabalhar definitivamente no país e posteriormente se tornar um imigrante legal.

Passo a passo para ser um estudante internacional

maxresdefault

1 – Faça atividades extracurriculares

Como já sabemos, o preparo para se estudar fora do Brasil é longo e precisa acontecer o quanto antes. Enquanto você estuda no Ensino Médio, precisa se capacitar ao máximo para mostrar que é um aluno exemplar.

Mais do que isso, precisa se dedicar às atividades extracurriculares que são:

  • Trabalhos voluntários;
  • Participação em projetos importantes e inovadores;
  • Medalhas e conquistas escolares;
  • Proficiência em idiomas;
  • Atividades esportivas ou musicais;
  • Participação em oficinas;
  • Grêmio estudantil;
  • Teatro;
  • Atividades sobre profissões para identificar aptidões;
  • Atividades de lazer e cultura;

Para que a experiência estudantil seja bem aproveitada, completa e funcional, essas atividades são fundamentais. A maioria dos estudantes que conseguiram vagas nas melhores Universidades apresentaram muitas dessas atividades.

2 – Se prepare para interagir com as pessoas

Se você quer estudar fora do Brasil, precisa também apresentar excelência no idioma do seu destino escolhido. Se o aluno não tem aulas práticas, levará ao menos três meses para se adaptar a nova cultura. Isso é tempo demais que poderá impactar no resultado dos seus estudos.

Além disso, as melhores Universidades do Estados Unidos, por exemplo exigem 80% de proficiência no idioma para que o aluno seja aceito.

3 – Prepare toda a documentação com antecedência

A primeira coisa que você precisará fazer é preparar a tradução de todos os seus documentos. Há uma taxa pela tradução juramentada, que são preços tabelados de acordo com o idioma.

Além disso outros documentos são fundamentais para que você consiga estudar no exterior. Veja quais são eles:

  • Testes de proficiência do idioma;
  • Projeto de pesquisa;
  • Cartas de recomendação;
  • Cartas de motivação;
  • Currículo;
  • Passaporte e visto de estudante;
  • Histórico escolar e diplomas;
  • Comprovantes financeiros;
  • Carteira de vacinação.

Vale a pena ressaltar que deve-se ter em mãos todos os documentos originais e cópias para eventuais necessidades.

4 – Informe-se sobre bolsas de estudos

As bolsas de estudos facilitam muito a sua entrada em um país estrangeiro. Existem muitas Universidades que dedicam oportunidades especialmente para estrangeiros.

Exatamente por isso que é bom se manter informado sobre as bolsas de estudos para Universidades no exterior. Organize toda a sua documentação e se prepare para a primeira oportunidade que surgir.

5 – O processo de candidatura

A chamada application é quando o aluno decide iniciar o processo de candidatura em uma Instituição do exterior. Para isso um planejamento e organização devem ser priorizados.

O processo de seleção de alunos é rigoroso e bem diferente do vestibular aqui no Brasil. É, na verdade, uma avaliação do perfil do aluno e toda a sua trajetória pessoal até chegar ao processo de candidatura.

Dado que nessa etapa o aluno já tenha em mente a Instituição em que deseja estudar, é hora de entrar em contato com a Universidade e obter os formulários para preenchimento. Após isso, toda a documentação é exigida.

6 – Faça uma autoanálise

Não é porque você conseguiu uma vaga em uma Instituição estrangeira que você precisa parar de se preparar. É nesse exato momento que você precisa fortalecer seus pontos fracos e otimizar suas habilidades.

Uma autoanálise é fundamental para que você consiga criar metas e melhorar seus atributos. Lembre-se que lá fora os padrões educacionais são de excelência e até o momento da candidatura você ainda pode lapidar algumas capacidades.

Boa sorte!

Plataforma dá acesso à produção intelectual da USP desde 1985

Ferramenta indica caminho para material ainda não digitalizado; é possível encontrar até teses de 1914 da Poli

Por  – Editorias: CiênciasUniversidade

.

O público tem agora disponível uma plataforma que simplifica o acesso à produção intelectual dos pesquisadores da USP. No momento em que este texto era escrito, a Biblioteca Digital da Produção Intelectual (BDPI) da USP reunia quase 925 mil registros, incluindo a produção científica, acadêmica, artística e técnica de pesquisadores, mais as teses e dissertações defendidas desde 1985 na maior universidade da América Latina. E, diariamente, esses números são atualizados, à medida que os bibliotecários cadastram novos documentos.

Idealizada para funcionar como um buscador sofisticado, mas ao mesmo tempo fácil de personalizar para o usuário de acordo com seus interesses, a ferramenta proporciona, a partir de uma única interface, a descoberta, recuperação e rastreabilidade da produção de pesquisadores, departamentos e unidades da Universidade.

Além do acesso à íntegra de documentos que estão disponíveis para acesso aberto na internet, a BDPIindica o caminho para o material mais antigo, que ainda não foi digitalizado. Os registros remontam ao ano em que se tornou obrigatório aos pesquisadores da USP o depósito de sua produção nas bibliotecas da Universidade. Mas é possível resgatar até mesmo alguns itens mais antigos que 1985, de períodos anteriores à criação da própria USP – por exemplo, teses e dissertações defendidas na então Faculdade de Direito e na Escola Politécnica em 1912 e 1914, que estão nas respectivas bibliotecas (essas unidades já existiam antes da fundação da USP, sendo depois a ela incorporadas).

Assim, mais que um mapa de todo esse conteúdo, “a BDPI é uma ação que valoriza a memória institucional da Universidade”, diz Tiago Murakami, chefe da Divisão de Gestão de Tratamento da Informação do Sistema Integrado de Bibliotecas (SIBi) da USP.

Está tudo lá?

Em relação ao conteúdo, todos os registros apresentam link para o texto completo, desde que o mesmo esteja disponível e acessível na Universidade. “No cerne da iniciativa está a ideia de promover o acesso aberto aos documentos na íntegra, democratizando esse acesso e estimulando o compartilhamento do conhecimento gerado”, afirmam Murakami e Elisabeth Dudziak, chefe da Divisão de Gestão de Desenvolvimento e Inovação do SIBi. Por isso, explicam eles, a associação de documentos aos registros existentes está sendo feita gradualmente, sempre em colaboração com os autores USP e as bibliotecas do sistema, resgatando e integrando dados e conteúdos que hoje estão disponíveis em uma plataforma mais antiga. “A unificação dos dois sistemas será realizada pouco a pouco”, ressaltam.

Algo que não será encontrado nesta Biblioteca Digital é a produção de alunos que não se trate de teses de doutorado e dissertações de mestrado. Essa limitação está relacionada, entre outras coisas, a direitos autorais, já que o vínculo do aluno com a Universidade é transitório. De qualquer forma, como uma grande parte da produção científica e acadêmica de alunos – a exemplo de artigos em periódicos – é feita em coautoria com docentes, também podemos esperar encontrar uma boa parte desse material na base. Da mesma maneira, não entram para o registro as produções de docentes que tiverem data anterior ao seu ingresso formal ou posterior à sua saída da USP.

Diferentes usos

BDPI pode ser utilizada para descoberta de artigos, trabalhos de evento, livros e capítulos de livro, teses e dissertações por assunto, autor e por unidade, expressando competências e especialidades dos pesquisadores da USP.

Mas também é fonte de indicadores e métricas associadas às produções registradas, apresentando os totais por tipo de material, autor, ano de publicação, idioma, título da fonte, editora, idioma, agência de fomento, indexação em bases de dados, entre outras opções de recuperação de dados, apresentados em gráficos.

Permite ainda a geração de relatórios que podem ser visualizados na própria interface ou podem ser exportados. Tudo isso a torna uma ferramenta estratégica para o planejamento de unidades, departamentos e da USP como um todo, naquilo que é um dos pilares da sua existência: a pesquisa científica.

Além disso, os registros são enriquecidos com aplicativos que integram dados de outras bases para periódicos, incluindo informações sobre citações, tudo atualizado em tempo real. Isso quer dizer que se o paper de um pesquisador da USP for citado em algum periódico um pouco antes que alguém faça uma pesquisa por esse paper na Biblioteca Digital, os aplicativos que buscam essas citações as encontrarão e já as exibirão junto ao registro.

Painel de indicadores: Dashboard

O Dashboard permite visualizar de maneira simples informações pré-configuradas, podendo ser personalizado pelo usuário, com aplicação de filtros. O pesquisador poderá ter informações agregadas sobre sua unidade, departamento ou sobre um pesquisador, permitindo ter uma visão global do conjunto. Acesso pelo endereço http://bdpi.usp.br/dashboard.php.

Aspectos técnicos

A BDPI foi desenvolvida dentro da Universidade, por sua equipe, e customizada de acordo com as características da USP, com forte inspiração na Vufind, ferramenta aberta de busca para bibliotecas. Feita a partir de um software livre, a BDPI é totalmente compatível com o Google: para os nomes dos campos, foi utilizado um formato de metadados estruturados que este buscador utiliza, facilitando a indexação e recuperação por quem procura o conteúdo no google.com.

A plataforma reúne informações a partir dos registros cadastrados no Dedalus (Banco de Dados Bibliográficos da USP) e na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP, e enriquece esses registros coletando informações de outras fontes, desde o Currículo Lattes até bases internacionais como Web of Science, Scopus e Dimensions. A coleta é feita via aplicativos do tipo Application Programming Interface (APIs).

“Esforço conjunto de autores USP, das equipes das bibliotecas e do Departamento Técnico do SIBi”, como ressaltam Murakami e Elisabeth Dudziak, “a iniciativa revigora o objetivo de preservar a produção intelectual da Universidade e promover o efetivo acesso aberto”.

Conheça mais detalhes da plataforma no texto Plataforma BDPI revela indicadores e a produção de pesquisadores da USP, publicado no site do Sibi.

Luiza Caires, com informações de Tiago Murakami e Elisabeth Dudziak / Sibi

Sites Vão te Deixar Mais Inteligente

Olá,
A internet permite que qualquer coisa que aconteça no mundo seja transmitido em tempo real. Seja por meio das redes sociais, sites ou blogs. Mas nem tudo o que circula é verdade e o que você anda lendo pode, ao contrário do que você gostaria, te deixar mais desinformado do que informado.

Separamos 13 sites que prometem conteúdo com veracidade e podem te deixar mais inteligente!

Estes sites vão te deixar mais inteligente

TED
Todo em inglês, o portal oferece vídeo e matérias sobre diversos interesses. Desde palestras sobre assuntos científicos, até temas políticos, sociais e de saúde. O site costuma convidar nomes de peso.
Um espaço para falar de filosofia e psicanálise. Como teorias importantíssimas da psicologia se aplicam no indivíduo nos dias de hoje? E o desafio humano de lidar com os sentimentos e angústias dos tempos atuais são abordados no Café Filosófico.
Wikiversidade 
Tem disponível cursos em vários formatos, como videoaulas, e trabalhos acadêmicos para pesquisa escolar. Funciona com pesquisa por tema.
Domínio Público
Disponibiliza relevantes publicações literárias em formatos multimídias com o objetivo de disseminar conhecimento. A maioria dos textos e vídeos já são de domínio público. O site funciona todo com mecanismo de busca.
Voltado para a área de inovação, o portal oferece conteúdo sobre computação e áreas de exatas. São videoaulas, que formam cursos com certificados. A vantagem é que todo o material é dividido por nível básico, intermediário e avançado.
Coursera
Oferece cursos online em parceria com centenas de instituições no mundo. Cursos rápidos, longos, com temas de marketing, negócios, idiomas, saúdes, entre outros. Alguns são gratuitos.

Lumosity
Que tal melhorar a capacidade cognitiva por meio de jogos? O Lumosity é um projeto criado por neurocientistas com ações que estimulem e desenvolvam o cérebro.

Academic Earth

Mais de 16 áreas para se especializar com cursos totalmente gratuitos, em formato de videoaula. Basta se cadastrar e acessar o que for do seu interesse.
A plataforma tem mais de 10 mil cursos à disposição em parceria com universidades renomadas.
Um espaço para alunos, pais e professores esclarecerem dúvidas durante o período escolar. Boa fonte para pesquisas de trabalho.
Os internautas podem postar dúvidas sobre assuntos diversos e interagir com especialistas. Você cria seu próprio perfil e seleciona as áreas que quer esclarecer.
The World Factbook
A Cia disponibiliza documentos histórico, curiosos e informativos de diversos países.
GeographyIQ
Fornece informações sobre os países que podem ser úteis para turistas e interessados em conhecer culturas.
Até logo!

Governo Americano oferece curso online de inglês 100% grátis

Olá, leitor!

Se você tivesse uma entrevista de emprego hoje, mas de surpresa o entrevistador já começasse a entrevista em inglês, você estaria preparado? Caso não estivesse, certamente, você já teria perdido a oportunidade de trabalho, não é mesmo?

Mas isso não aconteceria apenas com você, pois infelizmente, ainda é baixo o número de brasileiros com proficiência na língua inglesa. Esse que é um dos requisitos mais básicos na hora de procurar um bom emprego, ainda é esquecido pelos brasileiros.

Mas e se você tivesse a oportunidade de começar a mudar isso ainda hoje, o que você faria? Esperamos que aproveite a oportunidade que se aproxima, pois essa pode ser uma porta de entrada até mesmo para outros países.

Saiba que o Governo Americano oferece curso online de inglês 100% grátis. Agora você tem a chance de aprender com um conteúdo desenvolvido especialmente para formar pessoas de diferentes naturalidades. Confira mais informações a seguir!

Aprenda com um conteúdo criado por nativos

curso_online_de_ingles_100

No Brasil encontramos centenas e centenas de instituições de ensino que prometem te ensinar o inglês perfeito. Como um atrativo, a maioria dessas mesmas escolas oferecem algum tipo de contato com um nativo, ou pelo um material parecido.

Mas com essa oportunidade exposta aqui para você, esse material é todo criado por nativos, afinal, essa é uma iniciativa do Governo Americano em parceria com uma escola especializada no aprendizado de estrangeiros.

Portanto, não poderia ser uma oportunidade melhor para você adquirir conhecimento de fontes que realmente entendem das necessidades primárias na hora de aprender.

Seu nível de inglês é básico? Esta é a chance que faltava para melhorar esse nível e elevar seu domínio da língua. Ainda não teve contato com o inglês, mas sabe da importância de ter ele ao seu lado? Conte com essa oportunidade para dar os primeiros passos.

Indiferente seu nível de aprendizado é sempre importante contar mais suporte especializado e experiência na hora de procurar um posicionamento no mercado. Conheça um pouco sobre quem oferece esse curso de inglês.

Conheça os envolvidos por trás dessa iniciativa

Essa é uma iniciativa incentivada pelo Governo Americano, por meio de uma instituição de ensino da língua inglesa, especializada no aprendizado de estrangeiros. Estamos falando da “USA Learns”, que conta com materiais ricos e completos.

USA Learns é um website gratuito focado no aprendizado de adultos, por meio de níveis para iniciantes e intermediários. A escola prioriza pontos importantes no aprendizado, como:

  • Desenvolvimento da fala;
  • Desenvolvimento da audição para a linguagem;
  • Aumento do vocabulário;
  • Melhoria na pronúncia;
  • Aperfeiçoamento da leitura;
  • Desenvolvimento da escrita;
  • Introdução à gramática.

Por meio de videoaulas intuitivas e completas o estudante entra em contato com mais de 1.000 atividades diferentes. A partir dessas informações você consegue determinar a excelente oportunidade à sua frente.

USA Learns atua no mercado desde 2008 e de lá para cá, mais de 10 milhões de adultos já passaram pela escola virtual, para engrandecerem seus conhecimentos e aumentarem suas oportunidades no mercado de trabalho.

Sempre com o objetivo de ensinar o inglês americano, ou seja, da mesma forma que ele é falado nos Estados Unidos, a instituição lançou um novo curso que pode realmente te surpreender.

Com um novo direcionamento a USA Learns visa oferecer além do aprendizado da língua inglesa, a oportunidade para você adquirir os conhecimentos para se preparar para conseguir sua cidadania americana, confira mais a seguir!

Torne-se um cidadão americano ainda hoje

O conteúdo oferecido de forma inteiramente gratuita pela USA Lears, além de ensinar como o inglês é realmente falado, ainda te prepara para o teste de cidadania americana.

Afinal de contas, esse teste envolve muitas exigências e uma delas é precisamente saber falar bem o inglês nativo. Sendo assim, por que então não aproveitar essa oportunidade para adquirir conhecimento que realmente vai trazer benefícios para você e sua carreira?

Com um direcionamento específico, ou seja, te preparar para realizar a aplicação ao N-400, que é o processo necessário para oficializar sua naturalização. Portanto, esse material passa pelos pontos principais acerca desse teste.

Está interessado, não é mesmo? Então não perca mais tempo e aprenda agora como você pode aproveitar esse conteúdo de imediato!

Como você pode aproveitar essa oportunidade?

Vale ressaltar que o site da USA Learns é americano, portanto está todo em inglês. Com um pequeno conhecimento básico você já é capaz de começar pelo curso inicial básico, avançar pelo intermediário e logo em seguida, para o curso de cidadania americana.

Para aproveitar as aulas é bastante simples, você precisa apenas realizar um breve cadastro no site da USA Learns. Será pedido seu e-mail, nome e para criar uma senha, depois disso é só curtir o conteúdo.

Em resumo, essa é uma oportunidade válida para você empenhar seus esforços, a fim de que esteja mais preparado para os desafios que o mercado certamente irá apresentar.

Ainda de quebra você aprende como dar os primeiros passos para quem sabe, uma cidadania americana. Faça dessa grande oportunidade, sua passagem para um mundo de novas possibilidades.

Conheça também como os Poliglotas fazem para aprender um novo idioma 70% mais rápido.

Até mais!

Conheça detalhes de como os poliglotas estudam e aprendem um novo idioma

Olá,

Aprender um novo idioma nunca é fácil já que é preciso se adaptar a forma de linguagem, aos sotaques e estimular o cérebro a pensar nessa língua nova que você escolheu aprender, sem isso dificilmente é possível aprender outros idiomas.

Ser um poliglota, ou seja, ser uma pessoa que fala mais de quatro idiomas não é fácil, é preciso que haja muita dedicação e empenho para conseguir estudar e praticar esses vários idiomas.

Por outro lado, se considerarmos a atual situação do país, com a crise na nossa porta, e o índice de desemprego aumentando diariamente, é fundamental sabermos mais de um idioma para dessa maneira, termos maiores chances de conseguir uma boa colocação no mercado de trabalho, ou pelo menos, manter o atual emprego.

O que é ser um poliglota?

como_os_poliglotas_estudam

Um poliglota é aquela pessoa que fala, lê e escreve mais de quatro idiomas. Aquelas pessoas que dominam mais de seis idiomas são chamadas de hiper poliglotas. Paulo Freire, o mestre da educação, era fluente em simplesmente 135 idiomas! Isso mesmo, ele dominava 135 idiomas que ia do inglês ao latim.

No nosso país, dominar quatro idiomas é muito difícil, devido a fatores culturais, mas se considerarmos a Europa onde a cultura é bem diferente e cada país tem um idioma próprio, por exemplo, Alemanha, Espanha, Itália e França, para eles fica muito mais fácil aprender, e se tornar poliglota, mas isso não significa que é impossível que nós, brasileiros também não podemos nos tornar poliglotas.

Por que ser um poliglota?

Além de ajudar a conseguir uma melhor colocação no mercado de trabalho, ser poliglota é uma forma de agregar mais conhecimento. Qual o objetivo de ter esse tipo de conhecimento? Simples! Se você for prestar um concurso público, por exemplo, e tiver prova de idiomas, você não terá dificuldade.

Ao se tornar um poliglota, você ainda pode ganhar um dinheiro extra dando aulas de idiomas, e diante da situação financeira que o país se encontra, renda extra é sempre bem-vinda. Você ainda pode trabalhar como tradutor, linguista, intérprete, entre tantas outras funções que envolve o conhecimento de outro idioma.

O melhor motivo para se tornar um poliglota é que você vai exercitar o seu cérebro. Diversos pesquisadores pelo mundo já comprovaram que ao aprender um novo idioma estimulamos a memória, a atenção e ainda é formado um tipo de “reserva cognitiva”. Essa reserva reduz as chances de desenvolver doenças associadas com a idade como o mal de Alzheimer, entre outros tipos de demência.

Ao estudar diversas línguas diferentes você estimula o seu cérebro a traçar novos caminhos para o conhecimento, isso irá fazer com que você se torne uma pessoa mais organizada, disciplinada e concentrada em todas as ações que vai executar ao longo do dia.

Quando falamos isso, nos referimos a atividades do cotidiano, e não apenas nos momentos em que você estiver estudando ou treinando um idioma diferente.

Como se tornar um poliglota?

Assim como tudo na vida, não existe uma técnica ou receita exata para se tornar um poliglota. Cada pessoa precisa identificar qual a melhor maneira que ela tem para aprender as coisas, e usar isso em seu favor para conseguir estudar e se tornar um poliglota.

Por outro lado, existem técnicas que podem ajudar, mas obviamente se não houver disciplina, esforço e dedicação, você não conseguirá “sair do lugar” e jamais se tornará um poliglota.

Veja agora algumas técnicas que podem ser utilizadas para te ajudar a estudar e se tornar um poliglota.

Matricule-se em uma escola de idiomas

Sabemos que essa parece uma dica meio óbvia, mas se você não consegue estudar em casa para aprender um idioma sozinho, esse deve ser o primeiro passo para se tornar um poliglota.

Ao se matricular em uma escola de idiomas, você vai aprender a pronúncia correta das palavras e vai poder conversar com outras pessoas que estão ali com o mesmo objetivo que você, estudar para se tornar um poliglota.

É nas aulas de idiomas que você poderá tirar algumas dúvidas, ou seja, vale a pena investir em um curso de idiomas para se tornar um poliglota. Agora se você é autodidata e não precisa de escola de idiomas, existem sites como o Duolingo, que podem te ajudar a começar seus estudos para se tornar um poliglota.

Aprenda as palavras-chave de cada idioma

Todo idioma possui palavras-chave que são usadas em praticamente todas as frases, então procure aprender essas palavras. Essa dica é dos próprios poliglotas, que usam essa técnica para aprender novos idiomas.

Conhecer as palavras-chave de cada idioma é uma técnica que dá certo porque nos fazer exercitar a memória, acelerando o processo de aprendizagem desse novo idioma, assim você dará um passo bem largo nos estudos, se tornando um poliglotarapidamente.

Faça desse novo idioma parte da sua rotina

Se você quer ser um poliglota precisa fazer com que o idioma que está aprendendo faça parte da sua vida, afinal, de nada adianta você estudar uma ou duas horas por dia, e o restante do tempo você simplesmente esquecer que essa língua existe.

Para começar essa imersão no novo idioma, você pode mudar a configuração do seu celular e computador para essa nova língua, além disso, você pode acessar sites de notícias dos países que falam o idioma que está estudando para se tornar um poliglota.

Outra forma de inserir esse novo idioma na sua rotina é assistir filmes, séries e ouvir música no idioma que está estudando. Todas essas estratégias são válidas para que você consiga se tornar um poliglota, uma vez que estará enriquecendo o seu vocabulário diariamente e de diversas maneiras.

Converse com outras pessoas

Nada melhor para aprender um novo idioma do que a prática. Sabe aquele ditado que diz que “a prática leva a perfeição”, pois é, ele se encaixa perfeitamente para aquelas pessoas que estão aprendendo um novo idioma e querem se tornar poliglotas.

Por isso pratique!

Marque encontro com pessoas que também estejam estudando o mesmo idioma que você. Essas reuniões ajudam não apenas a praticar, mas também a tirar dúvidas e aprender novas palavras e expressões.

Com o tempo, quando você estiver mais fluente, você pode se inscrever para participar de reuniões com poliglotas. Nessas reuniões as pessoas conversam sobre diversos assuntos, alternando os idiomas em uma mesma conversa. É fantástico!

Tenha contato com nativos

Crie uma rede de contato com pessoas que são nativas do país que fala o idioma que você está aprendendo. E não vai dizer que isso é impossível, pois, com as redes sociais a nossa disposição, é muito fácil conhecer pessoas de todo o mundo e assim, se tornar um poliglota.

Pode ter certeza que esse é outro segredo que os poliglotas usam para aprender um novo idioma, e é dessa maneira que eles não esquecem o que já estudaram, uma vez que eles sempre encontram uma oportunidade de por em prática o que está estudando.

Semelhanças entre o idioma que está estudando e o que já é fluente

Muitos idiomas têm a mesma origem, por exemplo, o português, o espanhol e o italiano são originados do latim, então há muitas semelhanças entre esses idiomas. O que você acha de usar essas semelhança a seu favor? Essa é uma outra técnica que os poliglotas usam para praticar e não esquecer os idiomas que já sabem e os que está aprendendo.

Existem ainda palavras que são semelhantes em diversos idiomas com, por exemplo, “democratização”, que é semelhante no português, no inglês, no espanhol e no francês. Preste atenção, ao conhecer essa palavra em pelo menos quatro idiomas diferentes, você estará praticando essa língua nesses quatro idiomas.

Imite os nativos

Usar a arte da imitação é outra estratégia válida para se tornar um poliglota. Como fazer isso? É fácil! Quem nunca brincou de imitar, por exemplo, um ator de novela mexicana? Pois é exatamente isso que estou sugerindo que você faça.

Nessa brincadeira de imitar, você estará treinando a pronúncia das palavras e a formação de frases, além é claro, dos sotaques, que faz com que parece que você é fluente, e dependendo do caso, até nativo, nesse determinado idioma.

Estude em conjunto

Sabe aquela história de reação em cadeia? Você já pensou que os poliglotasestudam assim para aprender um novo idioma? Como isso funciona? Veja só!

Considere que você está estudando inglês e já se sente confiante para aprender um novo idioma, por exemplo o espanhol. Então você não vai “estudar espanhol” e sim “study spanish”. Entendeu? Você vai estudar um novo idioma, praticando aquele que você acredita que já está dominando. Dessa forma, você aprende um sem se esquecer do outro.

Essa é outra estratégia de estudo que com certeza vai te ajudar a ficar fluente mais rapidamente em todos os idiomas que você pretende estudar para ser um poliglota.

Quantos idiomas você fala? Você tem alguma outra estratégias para aprender um novo idioma e se tornar um poliglota?

Compartilhe conosco!

Até logo!

Como estudar com barulho e de forma eficiente

Olá, leitor!

Quem me conhece sabe que  eu odeio barulho, também sabe que estudar faz parte da minha rotina, se esse também é o seu caso, provavelmente você deve ter ouvido falar que para conseguir ter um estudo de qualidade o silêncio em um local tranquilo é ideal. Porém, nem sempre essa é a realidade de muitos estudantes que precisam enfrentar a sua rotina de estudo em meio ao barulho, princialmente nós que moramos na periferia.

Por isso, este texto é voltado para estudantes que buscam maneiras de melhorar o seu estudo em ambientes barulhentos. Afinal, nem sempre é possível fugir e estudar no silêncio de uma biblioteca, mas algumas dicas podem ajudar nos ajudar neste processo. Apesar que eu uso outros métodos, mas isso não vem ao caso agora. Sendo assim, vamos as dicas.

Estudar com barulho!

Como_estudar_com_barulho_estudar_rotina_de_estudos_

Sem dúvida alguma, um ambiente barulhento, seja por pessoas conversando, televisão ligada, ou um lugar movimentado, é um problema quando buscamos concentração. E por mais que algumas pessoas afirmem que gostam de barulho, especialistas já disseram que para conseguir aprender, de fato, estudando um lugar tranquilo é recomendado.

Neste caso algumas pessoas acabam optando por colocar músicas para ajudar na concentração. Para muitos pode até ajudar, só que quando, por exemplo, colocamos as músicas que mais gostamos podemos acabar nos distraindo.

Neste sentido, pode-se sim escutar música, mas recomenda-se música com baralho de chuva, mais clássica. Vamos falar a respeito no próximo tópico.

Dicas para estudar sozinho com eficiência

Estudar em grupo pode ser uma boa opção, porém estudar sozinho é muito importante para tornar o estudo mais eficiente. Para quem estuda sozinho é interessante definir um local de estudo e não vale a cama e nem o sofá da sala.

Estudar em casa pode ser viável. Afinal, o conforto da sua casa e os horários flexíveis tornam o processo mais fácil, mas é preciso criar alguns hábitos para tirar o melhor proveito dessa modalidade de ensino.

Mas há vilões quando o assunto é estudar com baralho. Primeiro pode ocorrer as leituras desatentas, perda de foco e falta de paciência. Isso compromete todo o processo de estudo. Você tem aquela sensação de que estudou, só que na verdade não estudou. Ou seja, não conseguiu absorver o que leu.

Neste sentido, algumas dicas para estudar com eficiência são importantes. Conheça quais!

Tenha um local para estudar: é interessante que o local seja arejado e iluminado para estudar. Um ambiente adequado ajuda a evitar preguiça e distrações. Estude com o seu material na mesa, e não jogado na cama.

Rotina de estudos para estudar: depois que você já tem um local para estudar, comece a criar a sua rotina de estudos. Quando você pode estudar? Desta forma, estabeleça os horários em que você irá estudar em cada um dos dias da semana e encare isto como um compromisso.

Evite distrações: não adianta você ter um lugar perfeito para estudar se você não consegue se desligar do celular, por exemplo. Mesmo a internet sendo excelente ferramenta para os estudos, ela pode ser uma grande vilã da perda de concentração.

Uma dica é desligar as notificações dos aplicativos ou coloque o aparelho no modo silencioso. Estabeleça certo horário para responder mensagens e fazer ligações.

Fone de ouvido para estudar?

Estudar com fone de ouvido é muito particular de cada pessoa. Há aqueles que simplesmente não conseguem estudar escutando música, mas recomendamos escutar alguns destes sons que podem ajudar na hora do estudo.

Som de chuva: quando chove você não tem aquela sensação de que fica melhor para estudar? Especialistas afirmam que o som da chuva faz você entrar em um estado de concentração bem mais rapidamente, sem mesmo se dar conta disso.

E se você quer uma dica de onde estudar com barulho de chuva, pode colocar vídeos no YouTube, ou ainda escutar pelo site gratuito RainyMood.

Som de cafeteria: há quem simplesmente ame uma cafeteria. E para algumas pessoas a cafeteria é um lugar perfeito. Tem aquele burburinho do som de pessoas falando baixinho, o que torna o estudo mais instigante.

E se combinado com um café em casa mesmo, fica perfeito. Por isso, indicamos o site Coffitivity. É só clicar e você ouve o som de movimento criativo de uma cafeteria.

Músicas clássicas: para ajudar na concentração dos estudos, indica-se o som de músicas clássicas. Há algumas opções de vídeo no YouTube.

Não consigo estudar com barulho

Nem sempre é possível criar uma rotina produtiva de estudos. Por isso, a dica é ir adaptando aquilo que funciona pra você e não ir contra. Vamos a algumas opções:

Estudar em bibliotecas: a biblioteca pode ser eleita como o melhor lugar para se estudar quando se fala de lugar tranquilo e estudo com eficiência. As bibliotecas existem em praticamente qualquer lugar, sejam públicas ou de faculdades, e estão abertas de segunda a sexta de manhã até a noite. O melhor é que sua utilização é gratuita e o silêncio e tranquilidade para estudar são garantidos.

Estudar com fone ou com protetores auriculares: se você mora com mais pessoas ou lugares mais barulhentos, a dica é estudar com fone de ouvido ou colocar os protetores auriculares. Ai cabe a você escolher qual a melhor opção e o que dá certo a você.

De madrugada: essa é uma opção para estudantes que preferem um lugar mais silencioso: a madrugada!  Essa solução é bastante radical e não é muito recomendável, mas se não tiver outro jeito, é melhor do que não estudar. Inclusive, muitos estudantes acreditam que na madrugada conseguem se concentrar mais e estudar. Não custa tentar, não é mesmo?

Estudar: uma tarefa árdua

Para algumas pessoas estudar é uma tarefa árdua. Ainda mais quando o conteúdo não é tão fácil de absorver, e só de ouvir o nome da matéria já dá um frio na espinha. E se há barulho, tudo fica mais complicado. E as distrações podem ser tão maléficas quanto o barulho.

Foi o que concluiu um estudo que depois de distraído repentinamente, é mais difícil voltar para o estado de concentração. Por isso, o foco é muito importante. Com a quantidade enorme de assuntos para estudar, fica muito fácil se perder em meio a pensamentos ansiosos. A dica é realizar uma atividade de cada vez.

Listamos agora dicas para ajudar você ainda mais na concentração. Assim, diversas técnicas comprovadas por estudos e pesquisas ajudam a treinar o cérebro para manter o foco por mais tempo.

  • Fazer pausas periódicas: elas são fundamentais para o sucesso dos estudos. Até mesmo um estudo realizado na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, concluiu que ambientes naturais, como parques e praças, possuem alto poder de redução da fadiga. A dica é dar uma caminhada, fazer um café. Só não vale perder tempo olhando as redes sociais.
  • Manter o ambiente organizado: fica até difícil se concentrar e estudar em locais bagunçados. E não somente isso, cuidado com os barulhos da televisão, de músicas ou mesmo de seus familiares e amigos conversando. Essas coisas atraem sua atenção, desviando seu foco e impedindo-o de se dedicar ao que realmente precisa.
  • Praticar meditação: esqueça aquela rotina cheia de compromissos e que você não separa um momento para a sua saúde física e mental. Segundo um artigo publicado na revista científica PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America) afirma que treinar a meditação por 20 minutos diários, durante cinco dias, é o suficiente para melhorar o rendimento em testes de atenção. Além disso, a prática também ajuda a reduzir a ansiedade e a fadiga. E isso com certeza é recomendado para estudantes que procuram adquirir uma rotina de estudos eficiente.

 Afinal, dá pra estudar com barulho?

Neste texto você conseguiu ver algumas das dicas para quem quer fugir do barulho. Mas há pessoas que afirmam que gostam de barulho. Isso é muito pessoal. Se pra você as rotinas de estudo tem sido eficientes ao meio do barulho, não tem problema. O que importa é você estar compreendendo a matéria.

E para aqueles que não gostam do barulho trouxemos algumas alternativas que não são difíceis de serem colocadas em prática. Há outras formas de driblar o barulho:

  • Use Headset ou algum tipo de fone que abafe ruídos;
  • Protetores auditivos também podem ajudar;
  • Feche a porta do cômodo onde está e coloque músicas de meditação em volume baixo;
  • Negocie um “horário de silêncio” com sua família.

Cada um precisa compreender o que funciona. Não existe uma fórmula pronta ou mágica de estudo.

O fato é que há quem se disperse por qualquer ruído e há aquelas pessoas que podem estar no meio da batucada e nada lhes afeta. Para pessoas que não conseguem estudar com qualquer barulho, o mais indicado é optar por locais mais silenciosos como bibliotecas, mas não ficar insistindo em estudar com barulho. Se você não consegue, vai apenas estar estudando sem conseguir absorver de fato a leitura.

Até mais!